Publicidade

Correio Braziliense

Secretário do Tesouro avalia que Coronavírus afetará crescimento econômico

Pelas projeções do Tesouro, o cenário para a dívida pública deste ano já mostrava piora em relação ao ano passado, antes mesmo da epidemia do coronavírus


postado em 28/02/2020 06:00

Mansueto Almeida: coronavírus deve ter impacto negativo no crescimento e na evolução da dívida pública(foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil)
Mansueto Almeida: coronavírus deve ter impacto negativo no crescimento e na evolução da dívida pública (foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil)
A chegada do novo coronavírus ao Brasil deve prejudicar o crescimento da economia e impactar negativamente as projeções tanto para o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) quanto para a dívida pública, na avaliação do secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida. “O coronavírus afeta a projeção de dívida porque, para ela cair, é preciso ter crescimento do PIB. Se o PIB mundial crescer menos, isso afetará o do Brasil e, portanto, a relação dívida-PIB”, explicou Mansueto. Ele lembrou que os mercados já estão reagindo a isso, com as bolsas caindo e os investidores correndo para países onde há mais segurança, causando desvalorização das moedas de países emergentes.

Pelas projeções do Tesouro, o cenário para a dívida pública deste ano já mostrava piora em relação ao ano passado, antes mesmo da epidemia do coronavírus. No ano passado, a dívida bruta registrou queda pela primeira vez desde 2013, graças às devoluções bilionárias do Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e à venda de reservas, que tiveram impacto positivo de três pontos percentuais no endividamento. Caso contrário, a dívida teria encostado em 80% do PIB.

Segundo o Tesouro, após cair para 75,8% em 2019, a dívida voltará a subir em 2020, devendo chegar em 77,9% do PIB. As altas devem seguir até 2023, quando atingirá o pico de 79,4%. “Não veremos estabilização da dívida neste mandato de governo”, resumiu Mansueto, durante a apresentação do resultado fiscal do governo federal de janeiro.

Superavit


As contas do governo central, que incluem Tesouro, Banco Central e Previdência, tiveram superavit primário de R$ 44,1 bilhões no mês passado, o melhor resultado para janeiro desde 1997. O dado superou as estimativas, com alta de 41%, em termos reais (descontada a inflação), sobre o saldo obtido no mesmo período de 2019. “O resultado foi muito bom e acima do esperado. Houve um movimento muito atípico de arrecadação, e não dá para falar que é uma tendência. Temos que esperar os próximos meses para ver o comportamento da receita”, afirmou Mansueto.

A receita líquida cresceu 6,4% em comparação com janeiro de 2019, totalizando R$ 151,7 bilhões, em grande parte, devido aos ganhos reais da arrecadação de Imposto de Renda e Contribuição sobre o Lucro Líquido (CSLL) das empresas. A CSLL teve o maior aumento no mês entre as principais fontes tributárias, de 13,6% na comparação anual. Enquanto isso, as despesas caíram 3,3%, em termos reais, para R$ 107,6 bilhões. Em vez do tradicional duodécimo para o mês, o governo liberou menos de 1/18 das despesas discricionárias.

Analistas reforçam que o resultado positivo de janeiro não define tendência para o ano. “O dado de janeiro foi sazonal e, em 2019, houve receitas extraordinárias que não devem se repetir neste ano”, destacou Vilma Pinto, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV). Ela ressaltou que os efeitos do coronavírus ainda precisam ser calculados, mas, certamente, devem prejudicar as contas públicas. “O governo deverá arrecadar menos se houver impacto na atividade econômica e, além disso, os gastos com saúde deverão crescer”, alertou.

Pão vai subir, diz Bolsonaro

Durante transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro previu a alta do pão francês. “Estamos tendo problema nesse vírus aí, o coronavírus. O mundo todo está sofrendo. As bolsas estão caindo no mundo todo, com raríssimas exceções. O dólar também está se valorizando no mundo todo, e no Brasil está R$ 4,40...É isso mesmo? R$ 4,41? R$ 4,44”, disse. “A gente lamenta, porque isso aí, mais cedo ou mais tarde, vai influenciar naquilo que nós importamos, até no pão, o trigo. Eu não interfiro no Banco Central, quando vende dólar ou não vende. Falo com o Paulo Guedes. Se a política é essa mesmo, eu tenho que confiar nele. E vou continuar confiando, ele que entende do assunto. O problema do dólar, a culpa é do coronavírus, paciência.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade