Economia

Automóveis: Apesar da virose, Anfavea estima aumento de vendas

Previsão é de que negócios junto ao consumidor avancem 9,4%. Já exportações devem cair 11% devido à crise econômica argentina

Simone Kafruni
postado em 12/03/2020 06:00
Estoque de peças importadas está completo até o começo de abril. Depois, linhas podem ter que se adaptarMesmo diante do cenário de pânico global, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) prevê aumento das vendas de 9,4% em 2020. Nas exportações, contudo, a queda projetada é de 11%, principalmente, pela crise na Argentina, principal destino das vendas externas do setor. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira pelo presidente da entidade, Luiz Carlos Moraes.

Os licenciamentos no país somaram 2,788 milhões em 2019 e a projeção é atingir 3,050 milhões este ano. As exportações devem cair de 428 mil veículos, no ano passado, para 381 mil este ano. Por conta disso, a produção, que atingiu 2,945 milhões de unidades em 2019, está projetada em 3,180 milhões este ano, alta de 7,3%. ;As vendas no mercado interno devem compensar a redução nas exportações;, explicou Moraes.

Apesar de as estimativas do setor se manterem positivas, mesmo diante do cenário de pânico por conta do coronavírus, Moraes disse que a alta do dólar terá impacto no custo dos carros. ;As importações representaram US$ 13 bilhões no ano passado. Numa projeção de alta do dólar, de R$ 4 para R$ 4,60, esses R$ 0,60 a mais totalizam R$ 8 bilhões de aumento de custos;, disse. O valor dividido pela produção de 3 milhões de carros representa um custo de R$ 2,6 mil a mais por veículo. ;Se isso será repassado ou não para o consumidor, depende de cada montadora. Aquela que exporta mais pode compensar parte disso;, assinalou.

Em Brasília, foram 81.176 licenciamentos em 2019, 2,9% do total do Brasil e uma alta de 27,1% desde a retomada do mercado, em 2016. Segundo Moraes, as montadoras estão vendendo mais de forma direta para as locadoras. ;Isso acompanha o movimento global, por conta do aumento de aplicativos de transporte;, ressaltou. Dos 2,6 milhões de veículos leves, 520 mil foram vendidos para locadoras.

Efeito Covid-19

O presidente da Anfavea ressaltou que o estoque de reserva de componentes importados do setor deve segurar até o fim de março e início de abril. ;Podemos ter algum problema de importação de componente depois disso;, destacou. O dirigente assinalou que existem alternativas para resolver este problema. ;Mudar o mix de produção e diminuir fabricação de modelo que não usa tanto componente importado são algumas opções. Por enquanto, não tivemos parada de produção, mas existe o risco;, alertou. Mesmo assim, Moraes acredita que alguma queda na produção pontual por conta da pandemia pode ser recuperada em outros períodos do ano. ;Na indústria, é possível postergar a venda;, acrescentou.

Moraes afirmou que o Brasil ainda não deu um sinal de como o governo vai ajudar na economia. ;Será que não dá para fazer alguma coisa a mais para diminuir o impacto?;, indagou. Ele criticou a instabilidade política. ;É um momento em que deveríamos evitar ruído político e buscar serenidade e diálogo entre os Poderes e o setor privado;, sugeriu, em crítica velada às tensões provocadas pelo presidente Jair Bolsonaro.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação