Economia

Governo vai reduzir novamente projeção do PIB 2020

Diante dos impactos econômicos do coronavírus, já fala em crescimento zero e até em retração neste ano

Marina Barbosa
postado em 18/03/2020 18:35
 (foto: Danilson Carvalho/CB/D.A Press)
(foto: Danilson Carvalho/CB/D.A Press)

Diante dos impactos econômicos do coronavírus, já fala em crescimento zero e até em retração neste anoO governo federal vai rever novamente a sua perspectiva de crescimento da economia brasileira neste ano de 2020. Com isso, a projeção oficial do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve se aproximar das expectativas do mercado, que, diante dos impactos econômicos do coronavírus, já fala em crescimento zero e até em retração neste ano.

O governo começou o ano prevendo um PIB de 2,4% para 2020, mas rebaixou essa projeção para 2,1% por conta da alta de apenas 1,1% do PIB em 2019 e da desaceleração provocada pelo coronavírus. E, nesta quarta-feira (18), admitiu que essa revisão foi tímida diante dos estragos que o Covid-19 vem provocando nas economias de todo o mundo.

"O crescimento do PIB de 2,1% internamente já foi reavaliado. A Secretaria de Política Econômica concluiu, pelas suas modelagens, qual que é o novo número. O número é abaixo desse valor, bem abaixo, em linha com as revisões feitas pelo mercado", admitiu o secretário Especial da Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues.

Segundo Waldery, a nova projeção do governo para o PIB deste ano será anunciada na próxima sexta-feira (20). Porém, ao antecipar que esse número virá "em linha com as expectativas do mercado", o secretário admite que o número pode ficar abaixo de 1% em virtude da desaceleração provocada pelo coronavírus. É que muitos bancos e analistas do mercado já falam em um PIB perto de zero neste ano.

O Capital Economics, por exemplo, aposta em um crescimento de 0,5%. Já o Credit Suisse em um PIB de 0%. A Ativa Corretora fala até em uma queda de 0,5%. E o Goldman Sachs confirma que "é bem provável que o crescimento do PIB será zero ou negativo neste ano".

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação