Publicidade

Correio Braziliense

Operadoras pedem a municípios que autorizem instalação de antenas

O objetivo é ampliar a conectividade para oferecer mais acesso a serviços digitais em tempos de isolamento. Brasília é uma das capitais onde há mais dificuldade de obtenção de licenças


postado em 25/03/2020 19:06 / atualizado em 25/03/2020 19:14

(foto: Anatel/DIvulgação)
(foto: Anatel/DIvulgação)
Em tempos de coronavírus, isolamento social e relações limitadas aos ambientes virtuais da internet, as operadoras de telefonia e internet móvel, cientes da importância da conectividade na vida das pessoas, estão solicitando a autoridades municipais que autorizem licenças para instalação de antenas, que são imprescindíveis à continuidade e ampliação de cobertura dos serviços de telecomunicações.

O pedido está sendo endereçado principalmente a grandes cidades, que apresentam mais dificuldades de instalação de antenas, como São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Florianópolis e Manaus. Em diversas cidades brasileiras há atraso de mais de um ano nos processos de liberação das licenças para instalação de antenas de telecomunicações, em função da burocracia de processos e de leis municipais desatualizadas.

Segundo o SindiTelebrasil, sindicato que reúne as operadoras de telecomunicação do país, existem mais de 4 mil pedidos de instalação de antenas em todo o país, aguardando a liberação de licenças pelos municípios. “A instalação de antenas, além de gerar conectividade e investimento para o município, é feita seguindo o rigor das normas técnicas da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e respeitando a legislação.”

Em nota, o setor afirmou que “espera a compreensão e engajamento das autoridades municipais, nesse esforço coletivo de combate ao coronavírus, e solicita a liberação imediata das licenças para instalação de antenas”. Entre as justificativas, está a relevância da conectividade, neste período de dificuldades de deslocamento e necessidade de confinamento, para viabilizar as relações pessoais, de saúde, de estudo e de trabalho.

“Importante reiterar que sem antenas os serviços de telefonia e internet móvel não funcionam e, para a adequada prestação dos serviços e atendimento à demanda da população, é necessário ampliar constantemente a cobertura, sendo que em muitos municípios essa ampliação encontra-se paralisada em razão da falta de emissão das licenças municipais necessárias.”

Parte da demanda por antenas está na periferia das grandes cidades, onde, devido às restrições à instalação de infraestrutura, essa instalação não tem acontecido. É justamente nessas áreas que a demanda por conectividade móvel se faz mais ainda mais necessária, pois em sua maioria é por meio de dispositivos móveis que acessam a internet e serviços de governo e saúde.

“O setor de telecomunicações reconhece o seu papel viabilizador da comunicação e assistência em casos de isolamento forçado, bem como de instrumento informacional essencial no combate à pandemia e de suporte às atividades de outros setores da economia e espera das autoridades o mesmo reconhecimento e providências necessárias”, destacou o SindiTelebrasil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade