Publicidade

Correio Braziliense

Maia pede a presidente do BB que trate de liquidez, e não de isolamento

De acordo com a OMS, o isolamento social é a melhor forma de frear o alastramento do vírus


postado em 02/04/2020 15:04

(foto: Michel Jesus/Camara dos Deputado)
(foto: Michel Jesus/Camara dos Deputado)
Enquanto o presidente da República insiste em fazer propaganda contra o isolamento social da população como forma de prevenção do coronavírus, a ala mais radical próxima a Jair Bolsonaro decidiu dar suporte ao discurso. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o isolamento social de toda a população é, até agora, a melhor forma de frear o alastramento do vírus. Mas o presidente insiste, mesmo sem apresentar nenhum projeto de lei que dê conta das medidas necessárias, em isolar apenas os idosos.

O problema é que sem apartá-los do resto da população, os mais velhos não estariam realmente protegidos. Além disso, nas comunidades mais pobres, essa parcela da população costuma viver em casa com vários membros da família. Na manhã desta quarta, o presidente da República compartilhou em suas redes sociais um vídeo de uma mulher que pede que o chefe do Executivo “bote os militares nas ruas” e reabra o comércio. O presidente respondeu. “Você pode ter certeza que a senhora fala por milhões de pessoas”, disse.

Na postagem, Bolsonaro ainda pede que os seguidores compartilhem o vídeo. Também na manhã desta terça, o presidente do Banco do Brasil (BB), Rubem Novaes, também disparou contra a mais forte recomendação da OMS e seguida pela maioria dos países que enfrentam os efeitos da pandemia de coronavírus. O executivo afirmou que as pessoas querem ganhar o próprio sustento e que os governadores que recomendam o isolamento estão oferecendo esmola “com o dinheiro alheio”. “Caiam na real: governadores e prefeitos oferecem esmolas com dinheiro alheio”, afirmou.

À reportagem do Estado de São Paulo, Novaes afirmou que os prefeitos estão impedindo a atividade econômica do país, e que “esmolas atenuam o problema, mas não o resolvem”. “E pessoas querem viver de seu esforço próprio”, insistiu. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) respondeu ao ocupante do cargo máximo do BB. Em uma live, respondendo a economistas do Santander. Curto e grosso, Maia afirmou que isolamento não é assunto para o presidente do BB. “Presidente do Banco do Brasil tem que tratar de liquidez (para as empresas) e não de isolamento”, disparou.

Em outras ocasiões, o presidente da Câmara afirmou que não descartaria um isolamento vertical, isto é, apenas para os idosos. Mas que a iniciativa é inviável no momento, e o governo precisaria mandar um projeto explicando como isso seria feito.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade