Economia

Maia fala de fundo eleitoral e relações com a China em live com corretora

A live foi com a corretora de investimentos Necton, na manhã desta terça-feira (7/4)

Luiz Calcagno
postado em 07/04/2020 11:38
 (foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
(foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
A live foi com a corretora de investimentos Necton, na manhã desta terça-feira (7/4)O fundo eleitoral de 2020 foi um dos temas da live do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) com a corretora de investimentos Necton, na manhã desta terça-feira (7/4). Há uma disputa política sobre o uso da verba de R$ 3 bilhões para financiar o combate à crise provocada pela epidemia de coronavírus no Brasil. Maia destacou que a verba é importante pois financia a democracia, mas que em uma emergência como a atual, está à disposição do governo e é o Executivo que deve decidir se usa, ou não, o dinheiro.

;A democracia é um valor fundamental. Financiar a democracia é fundamental. Mas, nesse curto prazo, o governo deve usar todos os recursos. É fundamental. Terá que ser restabelecido. Mas, o governo tem prerrogativa de mexer. O parlamento pode, apenas, mudar o dinheiro que não foi gasto dentro da MP. Há uma polêmica que não é verdadeira. O governo tem toda liberdade de usar. Nesse curto prazo o recurso para eleição não é relevante e o governo tem todas as condições de usar. Não usa porque tem uma narrativa contra o congresso;, acusou.

Para Maia, se o governo vai gastar R$ 600 bilhões, ;é óbvio que esse recurso já será usado para a crise;. ;É óbvio que o que está vinculado desse recurso será usado, e teremos que ver como se organiza no fim do ano. O que a gente não pode é pensar que eleição não é importante. A última vez que não fizemos eleição foi na ditadura. Prorrogar mandato não é uma decisão simples. O presidente não tem maioria no parlamento. Ele não está com essa agenda. Não tem essa intenção. Mas, no futuro, um presidente que tenha apoio no parlamento, pode tentar prorrogar por seis meses, um ano. Mas não falo do Bolsonaro. Ele não em essa intenção;, destacou.

Relações internacionais


Rodrigo maia também comentou as crises que a família de Jair Bolsonaro e membros do primeiro escalão tem gerado nas relações com a China, o principal parceiro internacional do Brasil. Na visão de Maia, os disparos de aliados do presidente contra o governo Chinês atrapalham a relação com o país. ;Não apenas no curto, mas a médio e longo prazo. Teve uma notícia ontem de que os Estados Unidos passaram a vender soja para a China. Fico pensando o que faz um ministro pegar uma relação histórica e usar a Turma da mônica para desqualificar a China. É uma besteira, um erro;, disparou.

[SAIBAMAIS];A china é importante nas relações econômicas em qualquer lugar do mundo. Eu não entendo como um governo, em um momento desse de crise, um parente do presidente, um ministro, desqualifique um país que poderá nos ajudar muito mais. Os Estados Unidos estavam em conflito comercial com a China e, no fim, eles estão se acertados. Os Estados Unidos estão recebendo produtos, ampliando a venda de soja para a China, e estamos em situação fragilizada com o país. O crescimento do brasil durante o Governo Lula foi atrelado às commodities e a relação com a China. Não devemos tratar assim nenhum país, principalmente um que tem uma relação tão forte com o Brasil;, destacou.

Para Maia, o entorno de Bolsonaro mais atrapalha que ajuda. ;Acredito que a China não vai deixar de vender os produtos do Brasil, mas ela olha para a economia americana que é maior que a nossa. Na hora da escolha, a economia americana leva vantagem. E as pessoas tem que ter cuidado. E o eleitor do Trump não vê a América do Sul como relevante para eles;, explicou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação