Economia

Caixa oferece quatro meses de pausa no pagamento de parcela da casa própria

Clientes podem solicitar a partir de segunda-feira (18/5). Prorrogação será automática para os 2,3 milhões de brasileiros que já negociaram o financiamento habitacional com a Caixa desde o início da covid-19

Marina Barbosa
postado em 14/05/2020 21:20
Clientes podem solicitar a partir de segunda-feira (18/5). Prorrogação será automática para os 2,3 milhões de brasileiros que já negociaram o financiamento habitacional com a Caixa desde o início da covid-19A Caixa Econômica Federal (CEF) vai oferecer a possibilidade de os seus clientes suspenderem por até quatro meses o pagamento das parcelas da casa própria já a partir da próxima segunda-feira (18/05). A medida valerá para pessoas físicas e pessoas jurídicas e poderá ser contratada de forma remota, através do aplicativo ou da central telefônica da Caixa.

O banco já havia permitido a suspensão dos pagamentos da casa própria desde março, mas essa possibilidade estava valendo por três meses até esta quinta-feira (14/05), quando o presidente Jair Bolsonaro procurou a Caixa pedindo a prorrogação da medida. Segundo Bolsonaro, estender essa pausa contratual por mais um mês é uma forma de dar mais um alívio financeiro para os brasileiros que perderam renda durante a pandemia do novo coronavírus.

Na live desta quinta-feira, Bolsonaro explicou que 5 milhões de brasileiros têm um financiamento habitacional com a Caixa. E quase metade desse pessoal já pediu ajuda ao banco para parar de pagar temporariamente as parcelas da casa própria desde que a covid-19 chegou ao Brasil. "2,3 milhões de pessoas já aderiram à renegociação, segundo a Caixa. São pessoas que pediram para atrasar mais um mês o pagamento exatamente porque uns perderam o emprego e outros que negociaram o contrato trabalhista estão ganhando menos. A situação está complicada. Não podemos colapsar o Brasil nessa área", afirmou Bolsonaro.

"Ao estender a pausa na prestação do contrato habitacional para quatro meses, o banco oferece às pessoas e empresas a oportunidade de reprogramar seu orçamento diante das dificuldades que vêm enfrentando nesse período", concordou o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, que, por isso, comprometeu-se a oferecer essa possibilidade já a partir de segunda-feira.

De acordo com Guimarães, todas as 2,3 milhões de pessoas que já renegociaram o pagamento da casa própria terão esse acordo prorrogado para quatro meses automaticamente. E todos os outros que procurarem o banco com esse intuito a partir da próxima semana terão a suspensão válida por esse período.

O presidente da Caixa ainda lembrou que, de acordo com as normas do Banco Central, a suspensão temporária do pagamento das parcelas da casa própria pode durar até seis meses. Por isso, ainda é possível que a Caixa volte a prorrogar essa medida, caso o coronavírus continue afetando o bolso dos brasileiros nos próximos meses.


Condições


[SAIBAMAIS]Podem pedir a pausa na cobrança do financiamento habitacional todas as pessoas físicas que têm contratos em dia ou com até 180 dias atraso na Caixa, bem como clientes que utilizaram o FGTS para abater uma parte da prestação. As pessoas jurídicas que têm financiamentos à produção de empreendimentos ou financiamentos de aquisição e construção de imóveis comerciais com o banco também podem solicitar a pausa da cobrança, desde que estejam com os contratos em dia ou com atraso de até 60 dias.

O pedido de renegociação pode ser feito pelo aplicativo Habitação CAIXA ou pelos telefones 3004-1105, 0800 726 0505 e 0800 726 8068, que atendem os clientes da Caixa de segunda a sábados das 10h às 16h.

É importante lembrar, contudo, que o acordo da suspensão das cobranças da casa própria não livra os clientes da incidência de juros, seguros e taxas. Os valores dos encargos relativos aos meses em que as parcelas não foram pagas serão, portanto, acrescidos ao saldo devedor do contrato.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação