Publicidade

Correio Braziliense

Brasil descola do exterior: bolsa sobe 2,1% e dólar recua a R$ 5,58

Trégua momentânea nas tensões políticas, com tom conciliador da reunião entre presidente Jair Bolsonaro e governadores dá ânimo ao mercado, ao contrário dos pregões dos EUA e da Europa


postado em 21/05/2020 19:30

(foto: Jorge Araujo/Fotos)
(foto: Jorge Araujo/Fotos)
O tom conciliador na reunião do presidente Jair Bolsonaro e os governadores e uma trégua nas tensões políticas, com acenos de bandeira branca entre o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o governo, injetaram ânimo no mercado brasileiro, que se descolou das bolsas internacionais. Nesta quinta-feira (21/5), o Ibovespa, principal índice de lucratividade da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) teve alta de 2,1%, aos 83.027 pontos. O dólar recuou mais uma vez na semana, desta vez com queda de 1,86%, cotado a R$ 5,58, o menor valor desde 4 de maio. 

Em termos globais, os pregões foram de queda. Nos Estados Unidos, Nasdaq e Dow Jones recuaram 0,97% e 0,41%, respectivamente. Na Europa, também houve desvalorização dos principais índices na Itália (-1,29%), Alemanha (-1,41%), Reino Unido (-0,86%) e França (-1,15%). O cenário externo se ressentiu com o agravamento das tensões entre o presidente norte-americano Donald Trump e a China e com mais um pronunciamento do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Jerome Powell, sobre as incertezas da retomada da maior economia do mundo.

Para Gustavo Bertotti, mestre em economia e head de renda variável da Messem Investimentos, a esta semana foi diferente da anterior, começou com otimismo da possibilidade de uma vacina e com a volta gradativa das economias na Europa e nos Estados Unidos. “Tivemos um clima mais ameno. Hoje, porém, tivemos um cenário de instabilidade entre China e Estados Unidos, o que deixou a Europa em apreensão. Também saíram os números do seguro-desemprego dos EUA. Não foram bons, mas vieram em linha com o que o mercado esperava. Para piorar, o discurso do presidente do Fed gerou mais incerteza”, enumerou.

Apesar do quadro ruim lá fora, o Brasil conseguiu descolar e o mercado reagiu de forma positiva. “Isso foi reflexo de uma pausa na turbulência política. A reunião de Bolsonaro com os governadores num clima bom e com o Maia falando em reformas, tudo isso passou calma ao mercado”, disse.

Com a trégua, empresas que estavam sofrendo desvalorização, do setor financeiro e do varejo, tiveram altas. “As ações de bancos subiram bem, acima de 5%. Já os setores atrelados ao dólar não performaram bem, como alimentos e celulose. Queda de 3% da JBS, de 4% da Marfrig e Suzano e Klabin recuando em média 4%”, pontuou.

(foto: Jorge Araujo/Fotos)
(foto: Jorge Araujo/Fotos)
Segundo Davi Lelis, assessor da Valor Investimentos, a tensão é crescente entre China e Estados Unidos. “Trump proibiu os fundos americanos de comprarem ações de empresas chinesas e está dando subsídio para as companhias americanas com sede na China se mudarem para outros países”, assinalou. No cenário interno, Lelis também considerou o deslocamento efeito da reunião mais tranquila entre Bolsonaro e os governadores e o aceno positivo de Maia ao governo. 

O especialista lembrou que o dólar caiu ao menor patamar desde 4 de maio, cotado em R$ 5,58, porque o Banco Central está entrando forte para intervir no câmbio. “Os brasileiros têm muito medo quando sobe dólar. Alguns países exportadores gostam. O cenário de câmbio mais alto com inflação mais baixa não é ruim”, explicou. De acordo com Lelis, o mercado já está precificando mais uma queda nos juros básicos do país, de até 0,75 ponto percentual, o que levaria a Selic a 2,25% ao ano.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade