Publicidade

Correio Braziliense

Guedes minimiza conflito entre os Poderes: 'É natural que um pise no outro'

O ministro disse, contudo, que nesse momento o governo brasileira precisa de ''cooperação, colaboração, compreensão, solidariedade e fraternidade''


postado em 29/05/2020 12:17

(foto: Evaristo Sá/AFP)
(foto: Evaristo Sá/AFP)
O ministro da Economia, Paulo Guedes, minimizou, nesta sexta-feira (29/5), o clima de tensão que reinou entre os Poderes brasileiros nesta semana, depois que o presidente Jair Bolsonaro hostilizou as investigações do inquérito que apura a prática de fake news no Supremo Tribunal Federal (STF). Para Guedes, é natural que em um momento de tensão um poder "pise no pé do outro".

 

"É uma virtude da democracia a demarcação de território. É natural. Quando um poder pisa no pé do outro, o outro dá um empurrão de volta, é natural. Não é pra dizer que o Brasil vai acabar por causa disso, ou que o Brasil vai parar, nunca mais vai funcionar, que é uma destruição do capital institucional, que é um golpe. Não tem nada disso. É natural. É da própria crise", alegou Guedes, em conferência realizada nesta manhã pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

 

O ministro disse, contudo, que nesse momento o governo brasileira precisa de "cooperação, colaboração, compreensão, solidariedade e fraternidade" para poder sair da crise sanitária e econômica do novo coronavírus. Por isso, afirmou que não é hora de ficar incriminando uns aos outros.

 

Guedes disse até que considera um "crime contra a população brasileira" ficar apedrejando, em vez de ajudar o Executivo em um momento como esse. "Isso veio de fora. O vírus veio de fora e está atacando o mundo inteiro. É cretino atacar o governo do próprio país em vez de ajudar o governo em um momento desse. Ninguém quer apoio a erros", reclamou.

 

Ele admitiu, porém, que, quando não houver mais riscos de o "barco afundar", não seria um problema para a democracia que os poderes voltassem a se pisar. "É natural que nessa ansiedade um pise no pé do outro e quem foi pisado dá um empurrão. Agora, acabou. Todo mundo remando para chegar na margem. Quando chegar na margem, briga de novo. Se brigar no barco, naufraga", disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade