Economia

Investimento cresce 3,1% no primeiro trimestre e surpreende

Alta na Formação Bruta de Capital Fixo mostra que investidores estavam retomando confiança antes de a pandemia paralisar as atividades no país. Setor de óleo e gás investiu em plataformas

Simone Kafruni
postado em 29/05/2020 14:57
Alta na Formação Bruta de Capital Fixo mostra que investidores estavam retomando confiança antes de a pandemia paralisar as atividades no país. Setor de óleo e gás investiu em plataformasCom queda de 1,5% no primeiro trimestre, o Produto Interno Bruto (PIB), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (29/5), trouxe poucas notícias boas. Além da alta de 0,6% da agropecuária, os investimentos subiram 3,1% ante o quarto trimestre de 2019 e 4,3% na comparação com o mesmo trimestre do ano passado. Apesar de surpreenderem positivamente, os dados da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) não chegaram a empolgar, porque não se manterão em 2020, alertam os especialistas.

A alta reflete, basicamente, o investimento em máquinas e equipamentos do setor de óleo e gás, ressaltou Alex Agostini, economista-chefe da agência de classificação de risco Austin Rating. ;O crescimento foi nos dois primeiros meses do ano. Me surpreendeu, mas faz sentido porque investimento é estoque. Mas esses números vão derreter;, alertou.

Ricardo Jacomassi, sócio da TCP Partners, compartilha da mesma opinião. ;No segundo trimestre, isso vai se perder. Ainda é resultado de operações de óleo e gás e das privatizações realizadas no ano passado;,avaliou. Para o economista da XP, Vitor Vidal, a alta da FBCF foi uma das principais surpresas. ;Ao contrário da expectativa de queda. Mas, no geral, o PIB foi alinhado com o que o mercado aguardava;, disse.

No entender de Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie), o pior impacto será sentido no segundo trimestre. ;Houve investimento, resultado dos últimos meses de 2019. Porque, em 2020, a Petrobras cortou 30% do investimento e outras petroleiras vão seguir o mesmo caminho;, afirmou. ;O que pode salvar são as exportações, mesmo com o barril entre US$ 34 e US$ 36, porque o principal comprador de óleo é a China e ela deu sinais que partiu na frente na retomada. O Brasil já é o maior exportador de petróleo da América Latina;, disse.

Para a economista Mírian Lavocat, os investimentos poderão surpreender na retomada, se as medidas que estão sendo tomadas no âmbito regulatório forem concretizadas. ;Eu conversei com alguns setores, que estavam prevendo números trágicos para abril e foram menos catastróficos do que se esperava, sobretudo na construção civil, que tem muito a ver com investimento. Claro que os números não têm como ser bons, mas inovações legislativas para concessões e privatizações poderão influenciar na hora da retomada;, estimou.

Segundo ela, o Ministério da Infraestrutura manteve o cronograma de concessões. ;Se efetivarem todos os projetos que foram encaminhados, teremos uma retomada com investimentos em infraestrutura e construção civil, o que pode gerar muitos empregos;, assinalou.

[SAIBAMAIS]O economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, não é tão otimista. ;Os investimentos oscilam, como sempre, mas vão voltar a cair depois do evento pontual, que foi a importação de plataformas de petróleo, do começo do ano;, avaliou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação