Publicidade

Correio Braziliense

Serviços: primeiro setor a entrar na crise e último que sairá

Com recuo de 1,6% no primeiro semestre, atividade responsável pela maior massa de trabalhadores do país deve continuar em queda, provocando ainda mais desemprego


postado em 29/05/2020 16:15

(foto: arcos Oliveira/Agência Senado)
(foto: arcos Oliveira/Agência Senado)
Primeiro setor a sentir o baque com a pandemia do novo coronavírus, principalmente no segmento de transporte aéreo e no turismo, os Serviços devem ser o último a sair da crise provocada pela covid-19. Com queda de 1,6% no primeiro trimestre, segundo divulgou nesta sexta-feira (28/5) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), puxou o desempenho negativo trimestral do Produto Interno Bruto (PIB) pela ótica da produção.

Fabio Bentes, economista  da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), explicou que os serviços de transportes tiveram queda de 2,4%, de informação e comunicação (-1,9%), mas o segmento mais afetado foi o de outras atividades de serviços, com recuo de 4,6%, todos na comparação com o trimestre imediatamente anterior. Sobre igual período do ano passado, a retração dos serviços foi de 0,5%.

“O estrago pela crise neste setor será ainda maior no segundo trimestre. Mesmo como processo de flexibilização que começa a ser adotado, porque mudou o comportamento do consumidor. Ele não tem mais confiança e tampouco a mesma renda para usar os serviços”, avaliou. 

Bentes ressaltou que houve destruição de 860 mil postos de trabalho apenas em abril “Isso é mais do que tudo que foi criado no ano passado. Há queda na concessão de crédito de 16,5% e a prévia da inflação, o IPCA 15, aponta deflação de 0,60%, inédita na série histórica”, enumerou. Todos esses indicadores vão carregar os serviços para um segundo trimestre ainda pior. “O comércio ainda consegue escoar estoque, em vendas online ou essenciais. Agora, serviços como turismo e transportes, está tudo parado”, assinalou.

Segundo José Francisco de Lima Gonçalves, economista-chefe do Banco Fator, o setor de serviços foi o que mais sofreu, principalmente nos transportes e nas atividades ligadas ao mercado imobiliário. “Os efeitos do afastamento social o atingem imediatamente", afirmou.

E acrescentou: "As perspectivas não são boas: de um lado, o afastamento continuou por abril e maio, pelo menos; de outro, o setor não trabalha com estoques, na medida em que seu produto é fortemente perecível. Assim, empresas de serviços, e trabalhadores informais do setor, que perderam no período de afastamento terão dificuldades de sobreviver e se recuperar”.

Como o setor é o que mais emprega, o mercado de trabalho vai contrair fortemente, de modo que a espiral atividade-emprego para baixo vai prevalecer até o fim do ano, a depender do cenário de melhora do ambiente sanitário, acrescentou Gonçalves. “Nossa estimativa para o PIB de 2020, desde março, é de queda de 7,4% este ano”, projetou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade