Publicidade

Correio Braziliense

Vendas do varejo despencam 31,8% em abril em comparação com 2019

A maior queda havia sido em janeiro de 2002, quando as vendas do varejo tiveram redução de 16,5%


postado em 04/06/2020 06:00

(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
As vendas do comércio varejista tiveram queda de 31,8% em abril, na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo levantamento da Serasa Experian. Essa é a maior retração desde o início da série histórica iniciada em 2001, baseada no número de consultas feitas à base de dados da consultoria, segundo informações da Agência Brasil. A maior queda havia sido em janeiro de 2002, quando as vendas do varejo tiveram redução de 16,5%.

No acumulado dos quatro primeiros meses do ano, a atividade do varejo apresenta uma retração de 10,1% em relação ao período de janeiro a abril de 2019.

Entre os setores que mais sofreram em abril, está o de eletrodomésticos e eletroeletrônicos, com queda de 39,9% na comparação com o mesmo mês do ano passado. O varejo de vestuário e calçados registrou redução de 39,6% nas vendas; o de veículos, motos e autopeças, de 33,1%; e o de material de construção, de 32,1%.

O ramo de supermercados, alimentos e bebidas foi um pouco menos afetado, com uma redução de 24,3% no movimento de abril. Os estabelecimentos que comercializam combustíveis e lubrificantes tiveram queda de 19,3% no mês.

Para o economista da Serasa Luiz Rabi, a queda no movimento foi influenciada diretamente pela adoção das medidas de distanciamento social contra a pandemia do novo coronavírus (covid-19). “Com estabelecimentos comerciais de portas fechadas, lojistas viram seus estoques aumentarem e a demanda por produtos, diminuir”, disse.

O economista também destaca o impacto da crise na estabilidade financeira das famílias. “Neste momento de instabilidade, em que muitos ficam inseguros em seus empregos, o brasileiro se retrai para o consumo não essencial. Até mesmo quem tem um poder de compra mais elevado acaba direcionando seus recursos para uma reserva de emergência”, explicou Rabi.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade