Publicidade

Correio Braziliense

Sudeste levou maior parte do auxílio emergencial até agora, diz Caixa

Segundo a Caixa, R$ 76,6 bilhões já foram pagos pelo programa, sendo R$ 27,7 bilhões para a região a Sudeste


postado em 05/06/2020 16:18

(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
A maior parte dos pagamentos do auxílio emergencial de R$ 600 foi realizada no Sudeste do Brasil. Dados apresentados nesta sexta-feira (05/06) pela Caixa Econômica Federal (CEF) mostram que a região ficou com 36,1% dos R$ 76,6 bilhões que foram transferidos para a população brasileira através do programa até agora.

Segundo a Caixa, R$ 76,6 bilhões já foram pagos a 58,6 milhões de brasileiros pelo auxílio emergencial de R$ 600. É praticamente a metade do orçamento que o governo disponibilizou para o programa, com o intuito de ajudar os trabalhadores durante a pandemia do novo coronavírus.

O balanço do banco que avalia a distribuição regional desses recursos, contudo, mostra que R$ 27,7 bilhões dessas transferências foram para a região Sudeste, sendo R$ 13,25 bilhões apenas para o estado de São Paulo, que, por isso, levou sozinho 17,3% de todo o orçamento do auxílio emergencial até agora.

Já a região Nordeste, que, como a própria Caixa reconhece, concentra a maior parte da população de mais baixa renda do Brasil, recebeu um pouco menos: R$ 27,4 bilhões, ou 35,7% de tudo o que já foi pago pelos R$ 600 até agora.

O restante das transferências foi dividida da seguinte forma: R$ 8,3 bilhões, ou 10,9% do total, para o Norte; R$ 7,8 bilhões, ou 10,2%, para o Sul; e 5,4 bilhões, ou 7,1%, para o Centro-Oeste.

Em termos estaduais, enquanto São Paulo recebeu a maior parte dos recursos, o Acre ficou com a menor parcela do benefício. O estado recebeu R$ 390 milhões, ou seja 0,5% dos R$ 76,6 bilhões que já foram pagos pelo auxílio emergencial até agora. Já o Distrito Federal recebeu R$ 810 milhões, 1,1% do total.

Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães explicou que a maior parte dos pagamentos foi feito no Sudeste porque a região tem uma população maior que a do Nordeste. Mas ressaltou que, como a maior parte da população carente está no Nordeste, os valores recebidos por essas regiões são próximos.

"É uma demonstração clara que há um número de pessoas mais carentes na região Nordeste. Apesar de a região Sudeste ter um número de pessoas bem superior ao Nordeste, as duas regiões basicamente se equivalem em relação ao recebimento do auxílio emergencial. Mesmo a região Norte, que tem uma população menor que o Sul, também tem um recebimento maior que o Sul. Isso reforça o que vemos na Caixa, que as regiões Norte e Nordeste são aquelas com maior movimento de agências", afirmou Guimarães.

Recentemente, contudo, também vieram à tona denúncias sobre a transferência indevida dos R$ 600 para brasileiros de classe média que não tinham direito ao benefício. Segundo o Tribunal de Conta da União (TCU), de 6 milhões a 8,1 milhões de pessoas podem ter recebido o auxílio de forma indevida.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade