Economia

FMI: ações fiscais e do BC do Brasil são adequadas, mas é preciso unidade

Agência Estado
postado em 14/06/2020 22:05
Diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva foi questionada sobre a situação do Brasil diante da pandemia, durante entrevista ao El País, publicada no site do jornal espanhol. "Em termos de resposta à crise, foram dados passos adiante significativos, na verdade, mais que muitos outros países", avaliou. "Suas medidas fiscais e as ações do Banco Central são muito fortes e adequadas", considerou ela. Para Georgieva, o Brasil tem ainda mais "amortecedor econômico e margem de manobra", em comparação com outras nações. "Embora, como sabe, tem sido mais golpeados pela pandemia e seria muito importante gerir a situação sobre a base de dados transparentes", recomendou, prosseguindo: "Também conseguir a máxima unidade possível entre o governo central e os Estados". Questionada sobre a perspectiva de uma recuperação rápida da economia global, Georgieva lembrou que esta é uma crise singular, já que as autoridades "pisaram no freio" para proteger a saúde da população. Segundo ela, o grau de incerteza "é muito alto porque não sabemos como se vencerá a pandemia, nem se haverá uma segunda onda" de contágios pela covid-19. "Somos otimistas a respeito de vacinas e dos medicamentos, mas ainda não os possuímos", lembrou. "Acredito que a crise será profunda, mas de curto prazo, relativamente, e a recuperação começará gradualmente já neste ano." A diretora-gerente do FMI mencionou que, para 2021, a entidade prevê crescimento global de 5,8%, mas esse número será atualizado no fim deste mês. "A revisão para 2020 será em baixa para a maior parte dos países, com algumas exceções", adiantou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação