Publicidade

Correio Braziliense

Pandemia puxa venda de casas em condomínios no Distrito Federal

Desde março, venda de residências em condomínios horizontais registra aumento médio de 15%. Clientes buscam mais conforto e segurança para as famílias, além de espaço para organizar o home office em tempos de pandemia


postado em 29/06/2020 06:00 / atualizado em 29/06/2020 06:46

(foto: Pacífico/CB/D.A Press)
(foto: Pacífico/CB/D.A Press)

A pandemia pelo coronavírus acarretou uma demanda específica por imóveis no Distrito Federal, principalmente de casas e lotes em condomínios legalizados. A capital tem uma compreensão própria de qualidade de vida, além de concentração de servidores  —  com renda acima da média e estabilidade no emprego. Isso fez com que, durante a pandemia, boa parte da população, em trabalho remoto, passasse a desejar acomodações mais confortáveis para manter a segurança da família no isolamento e instalação de escritórios. Segundo Rodrigo Nogueira, presidente da Ecap Engenharia, desde março, a procura e a venda de casas aumentaram 15%.

“As vendas aqueceram-se de 45 dias para cá, depois de uma quase paralisação do mercado. A compra, para uso ou para investimento, vale a pena”, destaca Nogueira. Um apartamento de quatro quartos no Noroeste, por exemplo, custa cerca de R$ 2,2 milhões. Uma casa nas mesmas proporções, no Park Way ou no Jardim Botânico, sai por R$ 1,9 milhão e R$ 1,2 milhão, respectivamente. Para o especialista em imóveis, esse é o momento de concretizar o sonho da casa própria. Os juros e a inflação estão em queda, os bancos estão expandindo o crédito e os preços, em recuperação. “Para quem quer investir, o retorno, em caso de locação, chega a 6% ao ano, sem falar na valorização do imóvel”, afirma. Em termos de venda, o segundo semestre deverá ser ainda melhor, sinaliza o presidente da Ecap. 

Demanda

Pedro Ávila, diretor comercial da Construtora PaulOOtávio, assinala que vários pontos colaboraram para o aquecimento da demanda. Além da queda na taxa de juros, das facilidades de crédito e do desejo por casas maiores ou apartamentos com varanda, para enfrentar com mais conforto o distanciamento social, o que também chamou a atenção foi o número de casais separados que buscam novas residências. “A procura era, até março, de duas ou três pessoas nessa condição. De maio para junho, dobrou para cinco ou seis”, enfatiza.

Ávila também identifica uma tendência crescente de os clientes pagarem um valor de entrada maior. “Depende da pessoa, mas se percebe a preferência de dar mais recursos inicialmente, em vez de deixar o dinheiro no banco”. Essa inclinação, segundo ele, também é registrada em São Paulo. A única preocupação do diretor comercial da PaulOOtávio é uma possível contaminação da política no mercado imobiliário. “Se a política monetária for afetada, não se sabe como ficará o cenário”, destaca.

Luiz Antônio França, presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), reforça que o “distanciamento social imposto pela pandemia de covid-19 nos fez usufruir melhor das nossas residências”. Isso deve trazer inovações no mercado, como mais procura por imóveis com espaços para lazer e de trabalho. No segmento de alto padrão deve haver uma procura maior por casas e coberturas. Nos demais segmentos, as pessoas devem procurar condomínios com mais áreas verdes.

“As varandas dos apartamentos também serão mais valorizadas, pois o brasileiro sentiu a necessidade de tomar sol, além de usar o espaço como home office. O escritório doméstico pode ter vindo para ficar. Com isso, aquela tendência de apartamentos menores das cidades grandes pode ser revista. Tudo é muito novo, mas o mercado se adapta rápido”, diz França.

R$ 1,2 milhão
É o preço de uma casa de quatro quartos no Jardim Botânico, enquanto um apartamento do mesmo tamanho no Noroeste custa R$ 2,2 milhões


Acordo para classe média


Rodrigo Nogueira, da Ecap Engenharia, diz que a Caixa firmou contrato com a incorporadora e construtora para financiar lotes residenciais e casas no condomínio Le Jardin, na Região Administrativa do Jardim Botânico, no setor habitacional Tororó, voltado à classe média. Esse acordo foi possível porque o residencial é legalizado. A Caixa financiará até 90% do valor de casas e lotes em até 35 anos. “As casas têm metragem a partir de 180m², mais área externa, e custam a partir de R$ 850 mil”, ressalta Nogueira.

A Caixa Econômica Federal informou que, para acessar informações com relação à documentação necessária e simulações de financiamentos, basta acessar o site do banco na internet: www.caixa.gov.br . As taxas praticadas pela instituição vão de 2,45% a 9,75% ao ano. Os prazos são de 120 a 420 meses. O Banco de Brasília (BRB) também atua fortemente nesse mercado. De acordo com a assessoria de imprensa, o volume de contratação nos primeiros meses de 2020 é 74,59% superior ao de todo o ano de 2019.  

“Até aqui, março e maio foram os meses de maior contratação de 2020”, destaca o BRB. A maior procura por imóveis residenciais tem sido de clientes pessoa física enquadrados no Sistema Financeiro de Habitação (SFH), ou seja, para imóveis com valor até R$ 1,5 milhão. O banco garante que tem a menor taxa de juros do mercado na capital — 6,49% ao ano. Além da demanda por crédito imobiliário, a instituição tem sido procurada para a portabilidade de contratos de financiamento. Neste ano, a concessão de crédito cresceu 303,15%.

A startup CredPago lançou, na quinta-feira, a “Fica Azul” — ferramenta on-line gratuita de negociação de dívidas com as imobiliárias. A estimativa é de devolver R$ 20 milhões ao mercado. A iniciativa pioneira ocorre em meio à pandemia que tem registrado aumento de 50% na inadimplência dos aluguéis. De acordo com a startup, dados do Conselho Regional de Corretores de Móveis de São Paulo (Crecisp) revelam que, apenas no Estado — por causa da crise sanitária —, a inadimplência no pagamento de aluguel aumentou 48,79% nos meses de fevereiro e março.

A solução, totalmente on-line, será de uso exclusivo para imobiliárias. “Essa ferramenta de negociação foi pensada como uma forma de tornar as cobranças mais fáceis, mais humanas e, também, de oferecer mais flexibilidade para aquele cliente que pretende colocar as pendências em dia”, explica Jardel Cardoso, diretor-executivo da CredPago. 

A empresa cadastrada faz a solicitação para negociar a dívida. O cliente é notificado sobre a proposta para a quitação do débito e poderá fazer uma contraproposta. Com o acordo entre as partes, a plataforma paga os valores para a empresa e o cliente passa a quitar o débito para a CredPago de forma parcelada, conforme acordado. O parcelamento pode ser feito em até 12 vezes no cartão de crédito.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade