Economia

Correio Talks: Correio debate papel dos bancos na economia

Webinar na próxima quinta-feira (2/7) contará com as participações dos presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e do Banco Central, Roberto Campos Neto

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 30/06/2020 18:10
 (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press; Marcello Casal Jr/Agência Brasil; Minervino Junior/CB/D.A. Press; Jefferson Rudy/Agência Senado)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press; Marcello Casal Jr/Agência Brasil; Minervino Junior/CB/D.A. Press; Jefferson Rudy/Agência Senado)
Da esq. para a dir.: Rodrigo Maia, Roberto Campos Neto, Isaac Sidney e Eduardo GomesO sistema financeiro tem sido muito demandando nesses tempos de pandemia do novo coronavírus. Empresas e consumidores estão a procura de crédito, seja para manter os negócios funcionando, seja para complementar a renda abalada pela redução dos salários. Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), desde março, as instituições financeiras já liberaram mais de R$ 1 trilhão em empréstimos e financiamentos e renegociaram milhares de contratos. A entidade reconhece, porém, que é possível fazer mais.
Para debater a importância do sistema financeiro na retomada do crescimento econômico, o Correio realiza, nesta quinta-feira, 2 de julho, a partir das 15h, um webinar com as participações dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); do Banco Central, Roberto Campos Neto; e da Febraban, Isaac Sidney Ferreira, além do líder do governo no Congresso, o senador Eduardo Gomes (MDB-TO). O Correio Talks será transmitido, integralmente, por meio do site www.correiobraziliense.com.br/correiotalks e pelas redes sociais do jornal. Os interessados poderão encaminhar perguntas aos convidados.
Cartaz do Correio Talks sobre bancos
Apesar dos esforços feitos pelos bancos para que o crédito chegue a quem precisa, as queixas são muitas, sobretudo por parte das pequenas e médias empresas, que reclamam do excesso de burocracia e de exigências. As instituições ressaltam que é preciso garantias firmes de que não serão vítimas da inadimplência. Tudo o que o Brasil não precisa neste momento é de uma crise bancária, como a que se viu nos anos de 1990, quando o país debelou a hiperinflação. A economia precisa de um sistema financeiro sólido para que o crédito flua de forma segura, estimulando os investimentos produtivos e o consumo.
Também há muitas reclamações em relação às linhas de socorro ao setor produtivo liberadas pelo governo. Apesar do anúncio de várias linhas para empresas de todos os portes, o crédito continua escasso. Na visão de especialistas, muitas regras se sobrepuseram, dificultando o acesso aos recursos. É preciso que a equipe econômica desate alguns nós para que os empréstimos sejam liberados e consigam salvar empresas e empregos. O próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, reconhece que as medidas do governo não atingiram seus objetivos.
Além dos entraves para a circulação de linhas emergenciais de crédito, há, no horizonte, projetos tramitando no Congresso que, à primeira vista, parecem facilitar a vida de empresas e consumidores. Mas, na verdade, medidas como tabelamento de juros e suspensão de parcelas de empréstimos e financiamentos podem fragilizar o sistema, que é vital para a retomada do crescimento. Não por acaso, o Congresso optou pelo bom senso e decidiu analisar, com cuidado, propostas que remetem a um passado marcado por desastres econômicos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação