Publicidade

Correio Braziliense

Fluxo cambial de junho fica negativo em US$ 2,9 bilhões

Dado mensal até o dia 26 praticamente reverte superavit de US$ 3,1 bilhões em maio e, deficit acumulado do ano, de US$ 12,6 bilhões, supera em 140% o do mesmo período de 2019


postado em 01/07/2020 15:36

(foto: Divulgação/Governo Federal)
(foto: Divulgação/Governo Federal)
O volume de saída líquidas do país no mês de junho somou US$ 2,9 bilhões até o dia 26, conforme dados do Banco Central desta quarta-feira (01/07). Esse dado está quase revertendo o saldo positivo de US$ 3,1 bilhões registrado maio, mas é inferior ao deficit de US$ 8,2 bilhões nos 19 dias úteis de junho de 2019. 

No acumualdo de janeiro a junho, o fluxo cambial ficou negativo em U$ 12,6 bilhões, registrando um salto de 140% sobre o saldo positivo de US$ 5,1 bilhões computado no mesmo período de 2019.

O canal financeiro apresentou saídas líquidas de US$ 37,4 bilhões nos dados acumulados no ano até dia 26. Esse resultado ficou 144% acima do deficit de US$ 15,3 bilhões computado no mesmo período do ano passado. Enquanto isso, o saldo comercial ficou positivo em US$ 24,8 bilhões entre janeiro e junho, um superavit 143% superior ao de US$ 10,2 bilhões obtido no mesmo intervalo de 2019.

O crescimento na saída de dólares do país reflete também a fuga de investidores estrangeiros da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), na contramão dos investidores nacionais, que partem para o risco da Bolsa diante da queda da rentabilidade na renda fixa no mercado doméstico que opera com taxa básica de juros (Selic) a 2,25% ao ano. No acumulado de janeiro até 26 de junho, os estrangeiros retiraram R$ 76,5 bilhões em aplicações na B3. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade