Economia

Redução de custos deve ser a grande meta dos projetos logísticos

Tese é defendida por Renato Casali Pavan, sócio fundador e presidente da Macrologística

Correio Braziliense
postado em 06/07/2020 06:00
 (foto: Reprodução/CB)
(foto: Reprodução/CB)
Renato Pavan, da Macrologística: em busca de sistemas de menor gastoA redução de custos deve ser a meta dos projetos logísticos. Renato Casali Pavan, sócio fundador e presidente da Macrologística, justifica a opinião, ao remeter-se ao termo, que vem do grego logistikós, e significa, literalmente, redução de custo. ;Um projeto de logística nacional deve integrar física e economicamente os estados e as regiões do país, identificando sistemas de menor custo, voltados para o mercado interno e externo, formados pela infraestrutura de transporte de cargas;, explica.

A Macrologística realiza vários estudos para identificar gargalos a serem resolvidos. ;Em relação ao Arco Norte, os mais importantes são rodo-hidro-ferroviários. Um deles é a Ferrogrão (ferrovia que liga Sinop, no Mato Grosso, aos terminais hidroviários privados em Miritituba, no Pará, e que deve ser concessionada);, ressalta. Outro entrave, segundo Pavan, é a Ferrovia Paraense. ;O Pará possui uma província mineral das maiores em todo o mundo e uma das regiões do agronegócio brasileiro que mais se diversificam e crescem. O que falta é logística, com ferrovia e porto competitivos;, destaca.

De acordo com o presidente da Macrologística, é altamente viável o transporte de 180 milhões de toneladas por ano na região, sendo 150 milhões de minérios e 30 milhões de grãos, fertilizantes, carga geral. ;O valor econômico é da ordem de US$ 18 bilhões por ano, gerando emprego e renda;, diz. A utilização do Porto de Vila do Conde (PA) proporciona diminuição de custo de US$ 15 por tonelada, aponta o especialista.


Racionalidade

Hoje, todos os portos estão em via de saturação, no entender de Pavan. ;Como o Brasil cresce a 0,5%, atende. Mas, se o país voltar a crescer 3% ao ano, vai ser difícil promover os meios de transporte. Não pode ser rodoviário pelo rodoviário, tem de ser pelo mais econômico, o mais competitivo. Logística é calcular racionalmente;, reforça.

Atualmente, existem navios que carregam 22 mil TEUs (unidade equivalente a 20 pés da sigla em inglês para Twenty-foot Equivalent Unit), enquanto os portos brasileiros recebem embarcações de 8,5 mil TEUs, observa Pavan. ;O Porto de Santos tem área para crescer, mas o problema é o canal de acesso. O Porto Vila do Conde está sendo adequado para 18 metros para receber navios grandes;, diz.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação