Economia

Centralização é grande entrave para a estrutura portuária brasileira

A opinião é de José Tavares de Araújo Júnior, diretor do Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (Cindes)

Correio Braziliense
postado em 06/07/2020 06:00
 (foto: Reprodução/CB)
(foto: Reprodução/CB)
José Tavares, diretor do Cindes: A principal deficiência do sistema portuário brasileiro é a centralização da administração dos terminais e o que determina sua eficiência não é ser público ou privado, mas sua governança. A opinião é de José Tavares de Araújo Júnior, diretor do Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (Cindes). ;O sistema centralizado só existe no Brasil. Esse, talvez, seja o grande obstáculo. A gestão de um porto tem de ser regional ou local;, diz.

Segundo o especialista, um estudo do Cindes sobre governança compara a situação dos portos no Brasil com outros do resto do mundo. ;Podemos encontrar terminais eficientes e ineficientes de todos os portes: estatais, como o de Roterdã (na Holanda); mistos, como os chineses; e privados, como os americanos;, elenca.

O quadro, contudo, é paradoxal, diz Araújo. ;Por um lado, se nós examinarmos os indicadores quantitativos logo após a Lei dos Portos (de 1993) até 2018, o desempenho é extraordinário, sobretudo no boom das commodities. Não houve qualquer ponto de estrangulamento e caminhou à frente. Esse é um aspecto surpreendente;, ressalta.

;Por outro lado, os portos brasileiros estão sempre classificados como os piores do mundo. Esse paradoxo se deve ao fato de que a modernização tecnológica conseguiu suplantar os gargalos de infraestrutura;, argumenta. Os usuários considerarem os terminais ruins, segundo ele, tem a ver com o fenômeno que se iniciou em meados de século 19 e seguiu até a metade da década passada: a extorsão dos operadores portuários quando não têm concorrência.


Governança

;Esse problema foi resolvido em diversos países do mundo, da China à Colômbia, passando pelos países europeus. Há um traço comum a todos, que se chama governança dos portos;, esclarece. É preciso tirar os políticos da gestão, porque a origem da extorsão é o acesso, por parte deles, às rendas possíveis derivadas dos portos;, revela.

Segundo o diretor do Cindes, no Ministério da Infraestrutura, que, em tese, ;é um dos mais conceituados do atual governo;, as informações foram atualizadas pela última vez em 2015. ;Isso é um indicador da nossa calamidade. Quer privatizar, ótimo. Mas para que os portos sejam governados segundo os preceitos atuais;, defende.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação