Economia

Desemprego cresce 26% entre maio e junho

De acordo com o IBGE, número de desempregados chegou a 12,4 milhões na pandemia

Marina Barbosa
postado em 17/07/2020 10:04
Carteira de trabalhoO desemprego segue avançando em ritmo acelerado no Brasil devido à crise instalada pela pandemia do novo coronavírus. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o desemprego cresceu 26% só entre maio e junho. Por isso, já são 12,4 milhões de brasileiros sem trabalho.

Pesquisa divulgada nesta sexta-feira (17/05) pelo IBGE revela que 2,6 milhões de trabalhadores entraram na fila do desemprego entre a primeira semana de maio e a última semana de junho. É que o número de desempregados saltou de 9,8 milhões para 12,4 milhões nesse período. "A população desocupada e em busca de ocupação aumentou 26%, em comparação com a primeira semana de maio;, relata a coordenadora da pesquisa, Maria Lúcia Vieira.

O IBGE ainda revelou que 675 mil desses trabalhadores perderam o emprego só na última semana de junho. Por isso, a taxa de desemprego do Brasil avançou de 10,5% para 13,1% entre maio e junho, mas saiu de 12,3% para 13,1% só nas duas últimas semanas de junho.

Especialistas dizem, contudo, que essa taxa ainda pode crescer mais nos próximos meses. Afinal, muita gente tem dito que gostaria de trabalhar, mas não está procurando emprego devido à crise e às medidas de distanciamento social impostas pela pandemia. Segundo o IBGE, cerca de 17,8 milhões de brasileiros se encaixam nessa situação.

Com o avanço do desemprego, também foi constatado um recuo na população ocupada, que ficou abaixo de 50% pela primeira vez na história durante a pandemia do novo coronavírus. Segundo o IBGE, o nível de ocupação caiu de 49,4% para 48,5% entre maio e junho. Ou seja, de 84 milhões para 82,5 milhões de pessoas.

[SAIBAMAIS]Por outro lado, tem caído o número de trabalhadores que disseram estar afastados das suas atividades profissionais devido à pandemia do novo coronavírus. Esse contingente passou de 16,6 milhões para 10,3 milhões de pessoas entre maio e junho. E tem caído com mais força nas últimas semanas, devido ao desemprego, mas também à flexibilização da quarentena, que tem permitido a volta ao trabalho de milhares de trabalhadores. Só na última semana de junho, por exemplo, o indicador caiu de 11,1 milhões para 10,3 milhões de pessoas.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação