Economia

Indústria cresce em junho, mas fecha semestre com perda em relação a 2019

Apesar do avanço significativo, resultado de junho ainda não foi suficiente para recuperar o nível de sprodução que o setor tinha antes da pandemia. No primeiro semestre, perda é de 10,9% em relação ao mesmo período de 2019

Marina Barbosa
postado em 05/08/2020 06:00
Industria automobilística, que chegou praticamente a parar no início da crise, produziu mais 70% em junhoA produção industrial brasileira cresceu 8,9% em junho, em relação a maio. O resultado veio melhor que o esperado pelo mercado. Porém, não foi suficiente para reverter todas as perdas sofridas na pandemia do novo coronavírus. Com isso, o setor fechou o segundo trimestre com saldo negativo de 19,4%, o maior recuo da série histórica.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a indústria acumulou perda de 26,6% entre março e abril, quando diversas fábricas interromperam suas atividades devido às medidas de distanciamento social necessárias ao combate ao novo coronavírus. Mesmo crescendo 8,2% em maio e 8,9% em junho, o baque não foi superado.

;As taxas de aumento de maio e junho foram significativas, até um pouco mais fortes do que o esperado. Mas ainda estamos a uma certa distância do patamar anterior à pandemia. A queda registrada em abril foi histórica, muitas fábricas praticamente pararam de funcionar;, comentou o gerente de Análise Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Marcelo Azevedo.

Os números do segundo trimestre mostram perdas generalizadas em todas as quatro grandes categorias econômicas do setor. O baque de março e abril foi tão grande que até o saldo do primeiro semestre foi comprometido. ;Na comparação de junho deste ano contra junho de 2019, o setor industrial recuou 9%. E, no acumulado do primeiro semestre, teve uma perda de 10,9%;, calculou o gerente da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) do IBGE, André Macedo.

O gerente do IBGE ainda afirmou que o recuo foi disseminado em todas as categorias econômicas e na maior parte das atividades industriais. Só a produção de bens de consumo duráveis, por exemplo, teve contração de 64,9% no segundo trimestre, influenciada, sobretudo, pela menor fabricação de automóveis, que desabou 83,2% no período.

Em junho, porém, houve altas taxas de recuperação em setores como o de automóveis (70%), móveis (28,5%) e têxteis (34,2%), diante da flexibilização da quarentena e da reabertura das fábricas. A CNI acredita que a produção industrial pode voltar ao nível pré-pandemia, caso esse ritmo de recuperação de 8% ao mês se mantenha em julho. Porém, admite que a retomada não deve continuar de forma acelerada por muito tempo.

;Boa parte dessa recuperação, que ocorre sobre uma base muito deprimida, é influenciada pelas medidas econômicas que reduziram a incerteza sobre a renda e o emprego. Mas ainda não sabemos até quando essas medidas vão e como a economia vai reagir após o fim desses estímulos. Além disso, algumas restrições do isolamento social vão ser mais duradouras e podem limitar o consumo. Então, ainda há muita incerteza em relação aos próximos meses;, avaliou Azevedo. Ele disse que, por conta disso, a CNI ainda não revisou a projeção de queda entre 4% e 7% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação