Escolha a Escola
Publicidade

Correio Braziliense

Confira as principais dicas para escolher a escola do seu filho

Para escolher onde matricular o filho, os pais devem analisar a proposta metodológica da instituição de ensino e ouvir a opinião do estudante


postado em 27/09/2018 16:32 / atualizado em 28/09/2018 17:38

Eduardo procura escola onde o filho Lucca possa estudar até o ensino médio(foto: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
Eduardo procura escola onde o filho Lucca possa estudar até o ensino médio (foto: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

Decidir em qual instituição de ensino o filho vai estudar no próximo ano letivo é uma tarefa que requer muita reflexão e cuidado dos pais. Além de considerar as próprias preferências, os responsáveis pelas crianças ou adolescentes devem levar em conta a opinião dos filhos para não comprometer o processo de aprendizagem deles.

Quando envolve a troca de escolas, o desafio se torna ainda mais complicado, sendo necessário bastante diálogo para que todas as partes saiam ganhando com a decisão. Especialista em administração da educação, o professor do Departamento de Planejamento e Administração da Universidade de Brasília (UnB) Cleyton Gontijo explica que tanto pais quanto filhos devem ser sinceros durante a escolha de um colégio. 
 
“A família precisa colocar para o estudante quais os benefícios e os malefícios que ele terá com a escolha de uma nova escola. Mas, se os pais perceberem que a troca possa representar uma perda para o filho, principalmente pelas relações de amizade e de confiança, isso precisa ser avaliado. Uma conversa sincera e honesta ajuda na decisão da transição ou permanência em uma escola”, disse.
 
De acordo com o professor, outro ponto primordial para os pais é conhecer a proposta pedagógica da escola onde pretendem matricular os filhos. “É importante saber quais fundamentos e metodologia a escola utiliza, para verificar se a instituição está sintonizada com os valores da família”, destaca. 
 
“Diante dessa proposta é que será estabelecida uma parceria entre escola e família, além de toda a orientação do processo formativo dos estudantes. Muitas vezes, os pais se desencantam com a escola não porque o trabalho não seja bom, mas porque não é aquilo que eles imaginariam que seria desenvolvido”, completa Cleyton.

Dedicação

 

Pesquisar a fundo sobre novos colégios é algo que o publicitário Eduardo Smith, 32 anos, tem feito desde março. O filho dele, Lucca de Oliveira, 4, está no 2º ano da educação infantil, em um colégio de Taguatinga. A escola não conta com turmas de ensino fundamental e, apesar de o garoto ainda ter um ano a cumprir na educação infantil, o pai já pensa em matriculá-lo em outra instituição de ensino. 
 
“O meu objetivo é escolher um local onde ele possa estudar até o 3º ano do ensino médio. Quando eu fui estudante, passei por cinco colégios diferentes. Isso me prejudicou bastante. Portanto, estou atrás de um lugar que tenha um bom ensino, para que meu filho não precise ficar trocando de escola o tempo todo”, analisou.
 
 
 
Eduardo acredita que passar por tantas instituições de ensino diferentes pode atrapalhar o crescimento do filho. “Sempre quando eu mudava de escola, tinha uma queda no meu rendimento. Durante algum tempo, foi um trauma para mim. Por conta disso, eu já estou preparando o meu filho.”
 
“Já passei em cinco escolas com o Lucca, mostrando os principais pontos de estudar em cada lugar, para que ele mesmo decida qual o colégio que mais lhe agrada. Acredito que ele convivendo em um ambiente disciplinado e com as mesmas pessoas por cerca de 10 anos será fundamental para a vida dele”, diz Eduardo.
 
Heitor com a mãe, Karine, e o padrasto, André: transparência valorizada(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Heitor com a mãe, Karine, e o padrasto, André: transparência valorizada (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
 

Abertura à família


Outro ponto a ser observado pelos pais é qual a chance de diálogo que o colégio lhes oferece para contribuir com o processo de aprendizagem dos filhos. Mestre em psicologia escolar, a professora do Departamento de Métodos e Técnicas da UnB Fátima Guerra afirma que o estudante deve ser tratado da mesma forma tanto dentro quanto fora de sala de aula.

“Escola e família precisam estar juntos. Uma boa coerência entre as partes faz com que o desenvolvimento do aluno seja muito positivo. Ambos têm de estimular situações de aprendizagem, para que a criança ou o adolescente passe a se conhecer, se amar e confiar em si mesmo.”

Para a professora, quando a instituição de ensino aceita a participação da família, ela também entende quais são os valores já enraizados na personalidade do estudante. “Todos merecem um tratamento de qualidade. Além de educar, o colégio deve se atentar em cuidar e proteger”, completa.

Coerência


Buscar um lugar mais transparente com a família foi um dos motivos para a fisioterapeuta Karine Alves, 39, pesquisar outras escolas para matricular o filho, Heitor Alves, 5, no 1º ano do ensino fundamental em 2019. 
 
“Sinto que o colégio onde ele estuda hoje trava a sua evolução. Dessa forma, quero uma escola onde não só ele se sinta confortável, mas eu também. O meu pensamento é de que a família não deve deixar o filho buscar o conhecimento sozinho”, afirma.
 
A mãe do garoto já visitou três escolas diferentes em Águas Claras. Na hora de escolher, Karine vai priorizar a que melhor se encaixa com os conceitos cultivados em casa. “Além da parte metodológica, temos que analisar os aspectos sociais de uma instituição de ensino. Isso é importante para a formação do caráter da criança ou do adolescente. Se os valores são parecidos, todos saem ganhando.”
 
 

Fique atento

Saiba o que levar em consideração no momento de escolher a escola 

Conheça a proposta pedagógica
» Analise se os recursos que o colégio dispõe satisfazem às suas necessidades e cumprem com as suas expectativas sobre a formação que será oferecida ao seu filho

Informe-se sobre a estrutura do colégio
» É importante conhecer tanto a estrutura física quanto a de pessoal, para entender o sentido dos trabalhos realizados e se a metodologia condiz com os princípios da família

Analise como se lida com conflitos
» É indispensável saber como a escola lida em situações de conflito e perigo. Nesse aspecto, a indicação de amigos e familiares pode ser levada em conta. Contudo, a opinião de terceiros sobre questão pedagógica não deve ser colocada em primeiro plano, pois cada família busca um objetivo diferente

Considere a opinião do seu filho
» A decisão deve levar em conta a avaliação do estudante. Entretanto, os pais precisam ter cuidado para não ficarem reféns dos filhos, que podem demonstrar comportamento semelhante ao de uma chantagem, e não aceitar a decisão da família

O diálogo é indispensável
» Às vezes, para os pais, a escola é a que estaria mais qualificada para preparar para vestibulares e concursos, mas, para o aluno, o ambiente causa sofrimento psíquico e emocional. Com uma conversa franca, pais e filhos podem entrar em consenso

Fontes: Cleyton Gontijo e Fátima Guerra 

Publicidade