Escolha a Escola
Publicidade

Correio Braziliense

Assistir a filmes e ouvir música também ajuda na preparação para o Enem

A preparação para o exame não se resume à sala de aula e pode ser complementada com a ajuda de produtos culturais, artísticos e midiáticos


postado em 27/09/2018 18:12 / atualizado em 28/09/2018 23:57

A coordenadora pedagógica Nilva Maria Pignata e a professora de literatura Tatiane Alves: referências diversas para a prova(foto: Marilia Lima/Esp. CB/D.A Press)
A coordenadora pedagógica Nilva Maria Pignata e a professora de literatura Tatiane Alves: referências diversas para a prova (foto: Marilia Lima/Esp. CB/D.A Press)
 
Para complementar os conhecimentos necessários às provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a bagagem cultural não pode ficar de fora. Mesmo que não exista uma matriz de obras literárias, musicais, cinematográficas e de artes visuais pré-estabelecida, os alunos podem recorrer a esses recursos sempre que possível, como uma forma de preparação extra. A ideia não é que eles substituam o conteúdo estudado em sala de aula, mas funcionem como suplementos.
 
“Todo o conhecimento de 15 anos de educação será cobrado. Por isso, o principal é que o aluno crie um hábito de estudo diário, senão, nenhum filme ou livro vai adiantar”, comenta Nilva Maria Pignata, coordenadora pedagógica do colégio Jesus Maria José.
 
Além disso, ela afirma que ter conhecimentos básicos sobre a Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), representada pelos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, pode ajudar com a construção de bons argumentos na redação. 
 
A coordenadora também conta que associar noções de atualidades ao que é visto em sala de aula contribui com o processo de estudos. Apesar disso, os autores clássicos vistos ao longo do ensino médio não podem ser deixados de lado.
 
“Autores como Machado de Assis, Jorge Amado e Guimarães Rosa, artistas como Tarsila do Amaral e Aleijadinho, além de obras como O Manifesto Comunista são sempre cobrados. A arte tem sido trabalhada em contexto histórico há pelo menos 10 anos nas provas”, observa Nilva.

Debate


Em alguns casos, a família ainda pode acompanhar o processo para contribuir com discussões e debates sobre os temas abordados nas obras escolhidas pelos estudantes. Aluna do 3º ano do ensino médio, Mariana Carreiro, 17 anos, conta que costuma discutir assuntos de noticiários com os pais e que os professores têm o hábito de oferecer sugestões de livros, filmes e outros produtos artísticos, midiáticos e culturais.
 
“O aluno tem muitas formas de aprender e nem sempre a sala de aula é a parte com que ele tem mais afinidade para aprender o conteúdo. Outros métodos ajudam muito para absorção do conhecimento”, analisa Mariana.
 
Acompanhar as atualidades é primordial. Professora de literatura, Tatiane Alves Lima recomenda a leitura de notícias e reportagens. Ela afirma que a banca parte do pressuposto de que o estudante que termina o ensino médio tem conhecimento abrangente sobre tudo o que foi cobrado ao longo da vida escolar e o que acontece no Brasil e no mundo.
 
Pensando nisso, ela trabalha todas as fases clássicas da literatura brasileira, além de produções contemporâneas como parte do conteúdo programático. Para complementar, Tatiane aconselha que os alunos leiam, em casa, crônicas, contos, charges e textos jornalísticos. 
 
“A prova de linguagens exige o conhecimento de um volume diversificado de gêneros textuais. As crônicas são boas para se ler e discutir em grupo ou em família. Tratam-se de textos curtos, que falam sobre situações do dia a dia e que fazem refletir sobre o tema abordado”, comenta.  
 
Professor de história, Tiago Rolim reforça a relevância do estudo das atualidades principalmente focadas à questão cultural. Segundo ele, o Enem cobra temas voltados a patrimônios materiais e imateriais e, portanto, é importante estar atento a movimentos passados ligados à contemporaneidade. 
 
“Quando se ouve a música caipira, por exemplo, é possível trabalhar a linguística, o regionalismo, o início da industrialização, a Era Vargas e o êxodo rural. Há um conflito entre o interior e o urbano. Por outro lado, a música sertaneja atual aborda a questão da conquista, do dinheiro, da globalização. E, hoje, o jovem está muito ligado a esse último tema”, observa.  


Para ler, ver e ouvir

Confira uma lista recomendada por professores para complementar o conteúdo visto em sala

CONTOS E CRÔNICAS

» Fabrício Carpinejar
» Fernando Sabino
» Luis Fernando Verissimo
» Martha Medeiros
» Rubem Fonseca

FILMES E SÉRIES

» A Onda (Die Welle. Drama/Suspense. 107 min. Alemanha, 2008)
» Atlântico Negro: Na Rota dos Orixás (Documentário. 53 min. Brasil, 1998)
» Cruzada (Kingdom of Heaven. 144 min. Reino Unido, EUA, Alemanha, 2005)
» Gladiador (Gladiator. Drama/Ação. 171 min. 
Estados Unidos, 2000)
» Índios no Brasil (Série. 
17 min/ep. Brasil, 1999)

MOVIMENTOS MUSICAIS

» Música caipira 
(anos 1930 a 1970)
» Clube da Esquina 
(décadas de 1960 e 1970)
» Canção de protesto 
(décadas de 1960 e 1970)
» Tropicalismo 
(fim da década de 1960)
» Nova MPB (anos 2010 em diante)

Fontes: Tatiane Alves Lima, Nilva Maria Pignata, Tiago Rolim  

Publicidade