Escolha a Escola
Publicidade

Correio Braziliense

Veja quais as são as principais linhas pedagógicas adotadas pelas escolas

Para ter a segurança de que a escola escolhida atenderá necessidades específicas do seu filho, é importante conhecer, entre outras características, o método de ensino adotado


postado em 27/09/2018 19:23

Para ter a segurança de que a escola escolhida atenderá necessidades específicas do seu filho, é importante conhecer, entre outras características, o método de ensino adotado. Confira alguns dos principais:

VYGOTSKY


O método, criado pelo psicólogo bielorrusso Lev Vygotsky, prioriza o desenvolvimento cognitivo do aluno por meio da interação social. Por conta disso, a corrente pedagógica também é chamada de socioconstrutivismo ou sociointeracionismo. Vygotsky acreditava que o professor deveria mediar a aprendizagem utilizando estratégias que levem o aluno a tornar-se independente. A isso, ele dava o nome de zona de desenvolvimento proximal, que seria o caminho entre o que a criança consegue fazer sozinha e o que ela está perto de conseguir fazer sozinha. Dessa forma, o educador tem de utilizar técnicas para incentivar o trabalho em grupo, onde a cooperação de todos os alunos contribua para que cada um aperfeiçoe a sua sabedoria. 

MONTESSORIANO


Idealizado pela educadora italiana Maria Montessori, a corrente sustenta que a melhor maneira de se descobrir e aprender é por meio da experiência prática e da observação. A ideia é de que o aluno possa utilizar o conhecimento que já tem como base e, assim, assimilar novos conceitos. Segundo o método, o agente mais importante da educação é o estudante e o ritmo de cada um deve ser respeitado. Para Maria Montessori, o professor deve guiar e orientar os alunos, propondo atividades motoras e sensoriais e removendo obstáculos ao aprendizado. As salas de aula montessorianas devem ter poucos alunos (em média 20 por turma) e diversos materiais de estímulo. A realização ou não de provas é opcional. Em alguns casos, a avaliação é feita com base no desempenho do aluno nas aulas.


FREINET


Também chamado de método natural, foi criado pelo pedagogo francês Célestin Freinet. Ele defendia que o desenvolvimento integral e individualizado dos alunos deveria ser otimizado por estratégias que valorizassem os interesses mais profundos da criança. Propôs uma pedagogia do bom senso, pela qual a aprendizagem resulta de uma relação dialética entre ação e pensamento, ou teoria e prática. Fundamenta-se em quatro eixos: a cooperação (para construir o conhecimento comunitariamente), a comunicação (para formalizá-lo, transmiti-lo e divulgá-lo), a documentação, com o chamado livro da vida (para registro diário dos fatos históricos), e a afetividade (como vínculo entre as pessoas e delas com o conhecimento).

WALDORF


O filósofo austríaco Rudolf Steiner idealizou o método em 1919. O principal ponto da proposta pedagógica é trabalhar o aluno de maneira holística, ou seja, considerando-o como um todo: corpo, alma e espírito. A trajetória da criança é composta por três ciclos de sete anos e, em cada etapa, ela tem um tutor que não muda. Diferentemente do ensino tradicional, em que os alunos têm preocupações com horários e conteúdo a ser aprendido, neste método o que é levado em conta são as etapas de desenvolvimento. Não há avaliações tradicionais, e a evolução entre os ciclos se dá por anotações feitas pelo tutor. Não é permitido repetir um ciclo.


CONSTRUTIVISTA


Inspirado pelo biólogo suíço Jean Piaget, o método procura instigar a curiosidade, pois o aluno é levado a encontrar as respostas a partir de seus próprios conhecimentos e de sua interação com a realidade e com os colegas. Em uma escola construtivista, o objetivo é que o aluno adquira autonomia. O método enfatiza a importância do erro não como um tropeço, mas como um trampolim na rota da aprendizagem. A teoria condena a rigidez nos procedimentos de ensino, as avaliações padronizadas e a utilização de material didático estranho ao universo pessoal do aluno. Também psicólogo, Piaget definia o método como uma teoria psicológica que busca explicar como se modificam as estratégias de conhecimento do indivíduo no decorrer de sua vida.

Publicidade