Publicidade

Correio Braziliense

Carta aos leitores: A vez de aliar a razão à emoção

A partir do ano que vem, precisamente no início letivo de 2020, o país viverá um momento revolucionário na forma de transmitir conhecimento em todas as escolas do país, públicas e privadas


postado em 28/09/2019 06:00

Aula de Robótica no colégio Ideal de Taguatinga(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Aula de Robótica no colégio Ideal de Taguatinga (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Num mundo cada vez mais dinâmico, cheio de novidades, as escolas e a forma como os professores transmitem o conhecimento precisam acompanhar a evolução dos tempos. Movidos a tantas indagações, os pais, com filhos em idade escolar, todo fim de ano, se fazem a mesma pergunta: em que escola devo colocar o meu filho? O que devo levar em conta na hora de decidir o lugar onde ele passará grande parte do seu dia? São muitas perguntas. E muitas dúvidas, sempre.

A partir do ano que vem, precisamente no início letivo de 2020, o país viverá um momento revolucionário na forma de transmitir conhecimento em todas as escolas do país, públicas e privadas. Com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) concluída — espécie de bússola que orientará pais, professores e alunos — , será a hora de fazer valer as mudanças.

O estudante passará a ser compreendido de forma integral, ou seja, deverá ser visto como um todo. Nesse novo modelo, o mais importante são a individualidade e as aptidões de cada um. É um novo jeito de ouvir, ensinar, cobrar e avaliar. Mais do que nunca, professores deverão estar atentos aos novos desafios e às novas possibilidades. E o aluno, cada vez mais, será o protagonista desse novo tempo da educação. 

O especial Escolha a Escola do seu Filho 2019  falará sobre todas essas questões. Abordaremos passo a passo a implementação da BNCC nos ensinos fundamental e médio. E discutiremos se as escolas estão realmente aptas para preparar esse profissional do futuro, que será cada vez mais exigido, num mundo onde a tecnologia, aliada ao equilíbrio emocional, andarão lado a lado. Aquele que dominar só a linguagem do mundo digital e não conseguir lidar com as próprias emoções, certamente, ficará para trás. As escolas começaram a entender muito bem essa mudança.

E, claro, não podiam ser deixadas de lado as discussões sobre diversidade e inclusão.  Nunca foi tão necessário e urgente falar sobre isso. As escolas estão preparadas para os novos tempos? Diante de todas essas questões, uma será sempre determinante para todas as outras — inclusive o sucesso da BNCC: a participação cada vez mais da família no núcleo escolar. 

Sem esse movimento constante, sem essa interação, nada, nenhuma mudança, seja em que nível for, poderá dar certo. É a relação família — escola que norteará toda e qualquer transformação. É o pilar para o começo das experiências exitosas. E isso é tão certo quanto uma equação simples.  O  desafio está lançado.

Boa leitura!