Veterinário dá dicas de cuidados na hora de levar o pet para o carnaval

Hidratação e evitar exposição ao sol são fundamentais para o bem estar do animalzinho

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/02/2013 13:20 / atualizado em 07/02/2013 13:32

Edilson Rodrigues/CB/D.A Press

Até no carnaval, muitos donos de animais de estimação não querem deixá-los sozinhos em casa ou aos cuidados de outras pessoas. Por isso, quem decide levar o pet para a festa deve tomar uma série de cuidados para tornar a folia a mais agradável possível para o animal.



Na opinião do veterinário Rogério Fonseca, o ideal é deixar o pet em casa ou em hotel próprio para cães. “Acho que um animal de estimação não é boa companhia para folia de rua ou até mesmo lugares fechados. Num ambiente de carnaval, muitos acidentes podem acontecer pois existem vários desafios para o cão”, ressalta. “Mas, se decidirem levar, é importante tomar alguns cuidados”, completa o veterinário. Confira as dicas abaixo.

Fantasia

- A fantasia deve ter, pelo menos, dois dedos de folga do corpo do bichinho de estimação e não pode ser apertada nas dobras das regiões da virilha, axila e pescoço. “Esses locais são passíveis de sofrer lesões e machucados.”

- Não cole adereços em animais de pelo curto com cola quente. “A cola quente pode causar lesões e queimaduras no cão.”

- É interessante colar fitas refletoras na fantasia, encontradas em lojas de artigos esportivos. “Ajuda a visualizar melhor o animal, principalmente os de porte pequeno.”

- Se for tingir o pelo do pet, opte pelas tintas a base de água e glicerina. “O correto é não usar a tinta, pois ela pode causar irritação da pele, alergia e intoxicação do animal, se ele ficar lambendo.”

Na hora da folia


- Hidrate o animal a cada duas horas

- Evite dar comida de rua para o pet. “Ele pode ter diarreia e vômito. É necessário que o cão mantenha sua rotina alimentar.”

- Evite a exposição ao sol das 10h às 16h. “Existem raças que têm dificuldade respiratória, como o Pug e o Boxer, e, quando expostos ao sol, podem ter crise de hipertermia.”

- Aplique protetor solar fator 40 ou 50, principalmente, em animais de pele clara. “Deve ser aplicado na ponta da orelha, no focinho e na barriga, regiões com menos pelo e que pegam mais sol.”

- É essencial o uso da coleira e da guia. “Se o cão estiver em um ambiente estranho, com outros animais estranhos, ele vai se envolver em briga. Por isso, é importante que ele esteja com coleira e guia.”

Fonte: Rogério Fonseca, veterinário

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.