Cordão do Boitatá e Sassaricando agitam foliões no centro do Rio

Bloco carnavalesco criado em 1996 movimenta foliões com marchinhas, samba e ritmos nordestinos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/02/2013 11:34

Rio de Janeiro – Um carnaval pontuado de marchinhas, samba e ritmos nordestinos, que reúne milhares de foliões com fantasias inusitadas. Essa é a proposta do Cordão do Boitatá, bloco carnavalesco criado em 1996, que faz a festa neste domingo (10/2) no centro da cidade do Rio de Janeiro.


Nascido como um encontro de amigos, a partir de um conjunto musical de mesmo nome há 17 anos, o Cordão hoje reúne cerca de 50 mil foliões, na Praça XV e em seu entorno, segundo Kiko Horta, músico e diretor do bloco.

“A gente tem uma modalidade que é um carnaval acústico [sem carro de som]. Fazemos um cortejo, com 50 músicos na rua e instrumentos de sopro, percussão, banjo. O cordão retomou a modalidade de carnaval no chão. Porque a gente tem blocos que fazem carnaval em cima do carro de som. Não estou dizendo que isso é pior ou melhor. É só uma modalidade de carnaval”, disse Horta.

Neste ano, o Cordão se uniu, em uma só festa, ao bloco de marchinhas Sassaricando, que tradicionalmente se apresentava no sábado, no bairro da Glória, na zona sul da cidade. A Praça XV, onde os blocos estão se apresentando, foliões curtem a festa com as fantasias mais variadas.

Vestida da personagem de desenho animado Pedrita, Marcele Falcão foi à Praça XV com a mãe e os dois filhos gêmeos, de 2 anos. “Eu ia muito a bloco antes de eles nascerem. Nesse carnaval, estou voltando aos blocos, só que agora, quero que a família toda participe”, disse.

Já Wellington Ribeiro foi ao centro da cidade com a mulher, que está grávida. “Eu e ela sempre fomos de curtir blocos. Nos conhecemos no ano passado e nesse ano estamos juntos aqui. Depois que o bebê nascer, espero continuar participando dos blocos, se minha mulher deixar”, brinca.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.