Bloco das 'pin ups' desfila pela primeira vez em Santa Teresa, no Rio

Objetivo do grupo é relembrar momentos importantes da história da cultura carioca

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/02/2013 16:08

Um novo bloco faz sua estreia no carnaval do Rio de Janeiro, prestando homenagem às “Certinhas do Lalau”. Trata-se do Bloco das 'Pin-Ups', fundado pela produtora cultural Eneida Damázio, que desfila pela primeira vez neste domingo (10) à tarde, na Ladeira de Santa Teresa. O objetivo do bloco é relembrar momentos importantes da história da cultura carioca que tiveram as mulheres como destaque. As 'pin-ups' foram tomadas como símbolo pelo grupo “pelo muito que elas representaram em termos de avanço de padrão de comportamento feminino na sua época”, disse.


Com seus belos sorrisos e semblantes de inocência, embora em poses provocantes, as 'pin-ups' surgiram nos Estados Unidos nas folhinhas de calendário e em revistas masculinas, com o objetivo de amenizar os corações e as mentes dos soldados norte-americanos durante a segunda guerra mundial. São consideradas pioneiras na profissão de "atriz-modelo-dançarina".

Para Eneida, as “Certinhas do Lalau” são as 'pin ups' brasileiras. Elas foram criadas pelo jornalista Sergio Porto, mais conhecido como Stanislaw Ponte Preta, para homenagear as vedetes do teatro de revista, ou teatro rebolado, como era chamado pelo público.

Sergio Porto decidiu elaborar uma lista das “Mulheres Mais Bem Despidas do Ano”, que passou a publicar em sua coluna na Revista Manchete, para satirizar o colega Jacinto de Thormes, pseudônimo de Maneco Muller que, na mesma publicação, divulgava a relação das “Mulheres Mais Bem Vestidas do Ano”. Para nomear as eleitas, passou a usar uma expressão ouvida de seu pai ("Olha só que moça mais certa"). Assim, nasceram as "certinhas" do Lalau, apelido de Stanislaw.

Leia mais notícias no Especial de Carnaval

Sergio Porto eternizou as vedetes como símbolo de sensualidade, uma das principais características das 'pin ups' norte-americanas. Ele acrescentou o toque brasileiro. A lista englobou 142 musas, no período compreendido entre os anos de 1954 e 1968. “Vestir com classe é fácil. O difícil é tirar a roupa com classe”, dizia Stanislaw Ponte Preta.

“As vedetes têm tudo a ver com o carnaval. Foi aí que decidimos criar o bloco e brincar com essa ideia”, contou Eneida. “Resolvemos pegar um bem carioca, porque a nossa proposta é essa: a gente quer estar sempre trabalhando uma questão antiga, que marcou a história da cultura. Seja ela internacional, como as 'pin-ups', ou nacional, como o teatro de revista, mas sempre em uma perspectiva carioca. A ideia é resgatar figuras, pessoas”.

Entre as famosas 'certinhas do Lalau” figuram vedetes como Virginia Lane, Rose Rondelli, Betty Faria, Anilza Leoni, Maria Pompeo, Aizita Nascimento, Brigitte Blair, Carmen Verônica, Eloina, Íris Bruzzi, Mara Rúbia, Miriam Pérsia, Norma Bengell, Sônia Mamede. Os diretores do bloco tentaram convidar algumas daquelas vedetes do passado que estão vivas, mas não obtiveram sucesso.

As vedetes do teatro rebolado eram ícones de beleza, trabalhavam com a exibição do corpo e faziam parte da imaginário masculino. Os Estados Unidos incorporaram esse conceito na década de 1940 com modelos fotografadas em poses sensuais e depois desenhadas.

Em seu desfile de estreia, o bloco apresenta o samba “'Pin-up' tropical no país das certinhas do Lalau”, de autoria de Eduardo Henrique, Leonardo Antunes e Serginho Corrêa. A concentração será na Ladeira de Santa Teresa. “É uma confraternização”. A expectativa é reunir, de início, cerca de 600 pessoas. A fantasia é a critério de cada um. Apesar disso, pelo menos 20 integrantes afiançaram que vão caracterizadas de 'pin-ups'.

Além de produtora cultural, Eneida Damázio é professora de português e literatura da Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro (Faetec).
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.