Luxo e pontualidade marcam primeiro dia das escolas do Grupo Especial no RJ

Desfilaram as escolas de samba Inocentes de Belford Roxo, Salgueiro, Unidos da Tijuca, União da Ilha do Governador, Mocidade Independente de Padre Miguel e Portela

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/02/2013 19:07

Tânia Rêgo/ABr

Rio de Janeiro
- Com a proteção de Yondung Halmoni, a deusa do vento, e a energia dos tambores buk e janggu, a Escola de Samba Inocentes de Belford Roxo iniciou o desfile das seis escolas de samba do Grupo Especial que desfilaram neste domingo (11/2) de Carnaval no Sambódromo da Avenida Marquês de Sapucaí.


A escola da Baixada Fluminense pisou na passarela do samba exatamente às 21h, horário previsto, trazendo para a avenida o enredo Sete Confluências do Rio Han, que faz uma homenagem às histórias e costumes da Coreia do Sul, do carnavalesco Wagner Gonçalves.

Tânia Rêgo/ABr
Com as arquibancadas já lotadas e dando prosseguimento à pontualidade do show, o Salgueiro deu início ao seu desfile pouco depois das 22h. O cumprimento dos horários foi uma tônica do carnaval deste ano, mesmo no Grupo de Acesso, que desfilou na sexta-feira e no sábado, cujas escolas ganharam fama pelos atrasos que levaram muitas vezes o desfile do grupo a entrar pela manhã do dia seguinte.

Leia mais notícias no Especial de Carnaval

Nas cores vermelho e branco, e trazendo para a passarela o enredo Fama, a primeira das escolas da Grande Tijuca – conjuntos de bairros da zona norte do Rio - a se apresentar na passarela do samba chamou a atenção pela suntuosidade e grandeza dos carros alegóricos e pelo luxo das fantasias.

O casal de carnavalescos da escola, Renato e Márcia Lage, colocou logo na abertura do desfile 21 componentes em cadeiras de rodas dentro de estruturas iluminadas. A comissão de frente - composta por paparazzi - fingia fotografar personagens que estavam em uma grande limusine, divertindo o público também fotografado.

Embora bonitos e luxuosos, o tamanho dos seus sete carros alegóricos deu trabalho aos chamados “puxadores” para entrar na avenida. Uma das alegorias, o carro abre-alas, denominado Grande Angular, trazia uma enorme máquina fotográfica e bonecos imitando seguranças.

Dando prosseguimento ao show de luxo e riqueza, desfilou depois outra escola da Grande Tijuca, desta vez da comunidade do Morro do Borel: a Unidos da Tijuca, atual campeã do Grupo Especial do Carnaval do Rio, passou por alguns contratempos ao longo da apresentação.

Logo na abertura, por volta das 23h10, o carro abre-alas bateu em frente ao Setor 1, antes mesmo dos cronômetros serem zerados, quebrando algumas luminárias. Alguns componentes do carro alegórico da Floresta Encantada passaram mal e foram socorridos por soldados do Corpo de Bombeiros, que garantia a segurança da passarela.

A escola fez um desfile de luxo, beleza e surpresas, marcas registradas do carnavalesco Paulo Barros, que deu um novo rumo ao carnaval do Grupo Especial trazer para a avenida as suas já famosas “alegorias vivas”.

A agremiação homenageou O Ano da Alemanha no Brasil com o enredo Desceu um Raio, É Trovoada! O Deus Thor Pede Passagem para Mostrar nessa Viagem à Alemanha Encantada, a agremiação da Tijuca alegrou o público com carros gigantes, belas fantasias e, sobretudo, muito luxo.

A União da Ilha do Governador foi a quarta escola a desfilar, trazendo um enredo homenageando o nosso “poetinha maior”. Vinicius, no Plural, Paixão, Poesia e Carnaval, foi um enredo em que o carnavalesco Alex de Souza procurou comemorar na avenida o centenário do nascimento de Vinicius de Moraes mostrando a pluralidade de sua vasta obra de poeta, pensador, músico, letrista e escritor.

A festa continuou quando, por volta das 1h20 pisou na passarela do samba a Mocidade Independente de Padre Miguel. A escola da zona oeste do Rio homenageou o rock. Com o enredo Eu Vou de Mocidade com Samba e Rock In Rio – Por um Mundo Melhor, do carnavalesco Alexandre Louzada, a agremiação trouxe para a Marquês de Sapucaí a mistura de pandeiros e guitarras, mostrando um intercâmbio cultural entre samba e rock até então inédita de ritmos no templo do samba.

Com 21 títulos de campeã do carnaval das grandes escolas, a maior vencedora da história das agremiações, a Portela, pisou na passarela do samba para encerrar o desfile do primeiro dia de apresentações do Grupo Especial às 22h25 desta segunda-feira de Carnaval.

Sem conquistar um título desde 84, a escola de Madureira, zona norte do Rio, um dos berços do samba carioca, homenageou Paulinho da Viola. Por meio das canções do compositor, o carnavalesco Paulo Menezes levou para a passarela o quarto centenário de Madureira.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.