Especial Publicitário - Senai

Sérgio Ricardo relembra a composição da trilha de Deus e o diabo na terra do sol

O compositor, cantor, ator e diretor, nascido em Marília (SP), há 82 anos - seu nome verdadeiro é João Lutfi - comenta que Perseguição é o 13º e mais forte e pungente verso do cordel

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/09/2014 08:00 / atualizado em 16/09/2014 11:45

Tatiana Altberg/Divulgacao


Se entrega,Corisco!/Eu não me entrego, não!/ Eu não sou passarinho/ Pra viver lá na prisão/ Se entrega, Corisco!/ Eu não me entrego, não!/ Não me entrego ao tenente/ Não me entrego ao capitão/ Eu me entrego só na morte/De parabelo na mão”. Há 50 anos, esse trecho do cordel escrito pelo cineasta Glauber Rocha e musicado por Sérgio Ricardo, para a trilha sonora do filme Deus e o diabo na terra do sol, passou a fazer parte da memória do brasileiro.


O compositor, cantor, ator e diretor, nascido em Marília (SP), há 82 anos — seu nome verdadeiro é João Lutfi — comenta que Perseguição é o 13º e mais forte e pungente verso do cordel, “ao narrar a caça a Corisco, personagem central da clássica obra de Glauber, protagonizado por Othon Bastos”. Atualmente o ator baiano dá vida ao mordomo Silviano, na novela Império, de Aguinaldo Silva.

Convidado para participar da abertura da 47ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, hoje, às 21h, no Cine Brasília, com a exibição de Deus e o diabo na terra do sol, Sérgio não vai estar presente. “Fiquei lisonjeado com o convite e gostaria muito de aceitá-lo, mas infelizmente não vou poder. Recentemente, sofri uma fratura no fêmur, que me impede de viajar, de deixar o Rio de Janeiro”. Em março de 2012, o compositor veio à cidade para se apresentar na Sala Villa-Lobos, acompanhado pela Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional, interpretando Estória João-Joana, de Carlos Drummond de Andrade, para o qual fez a música.

Ao rememorar o processo de criação da trilha de Deus e o diabo, Sérgio entra em detalhes. “Havia um bar próximo ao laboratório da Líder, no bairro de Botafogo (Rio), que era o ponto de encontro dos cineastas, integrantes do grupo do que viria a ser chamado Cinema Novo. À época, eu havia feito o curta-metragem Menina da calça branca e o Nelson Pereira dos Santos ficou encarregado da montagem. Num daqueles dias, o Glauber passou pelo estúdio e o Nelson me apresentou a ele”.

Trilha Sonora do Filme Deus e o diabo na terra do sol - Sergio Ricardo (1963)

1- Abertura
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

2- Manuel e Rosa
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

3- Sebastião
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

4- Discurso de Sebastião
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

5- A mãe
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

6- Antônio das Mortes
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

7- Corisco
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

8- Lampião
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

9- São Jorge
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

10- Monólogo
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

11- A procura
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

12- Reza de Corisco
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

13- Perseguição
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   

 

14- Sertão vai virar mar
(Glauber Rocha, Sergio Ricardo)   
 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.