Especial Publicitário - Senai

Cineasta Adirley Queirós comenta sobre a vitória de Branco sai. Preto fica no Festival de Brasília

Para ele, o filme deixa clara a segregação social que ocorre no Distrito Federal

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/09/2014 11:56

Daniel Ferreira/CB/D.A Press


Vencedor do prêmio de Melhor filme da Mostra Competitiva, da Mostra Brasília, e do Saruê, prêmio oferecido pelo Correio Braziliense, por Branco Sai. Preto fica, o cineasta Adirley Queirós fez questão de ressaltar o caráter político de seu longa. Em conversa com o Correio, logo após a premiação, na noite dessa terça-feira (23/9), ele frisou que a produção deixa clara uma divisão social e racial no Distrito Federal.


"Na minha cabeça, é muito claro que existem várias cidades (dentro do DF). Existe uma Ceilândia que representa algumas periferias e existe Brasília", afirmou.

Para Adirley Queirós, o filme joga luz a essa segregação. "Não podemos ser condescendentes. É fundamental colocarmos essas questões e gerar discussão", disse.

Sobre a vitória, o cineasta da Ceilândia aproveitou para falar sobre a distribuição de Branco sai. Preto fica. "Quero exibir meu filme, quero fazer cópias, colocar na feira. Tentar uma distribuição alternativa", explicou, enquanto criticava a política de distribuição cinematográfica brasileira.

Branco sai. Preto fica é a ponta de um trabalho que Adirley começou a produzir há dois anos. Em A cidade é uma só? (2012), o diretor já discutia as questões ligadas a segregação do Distrito Federal.

A filmografia dele também conta com as produções Fora de campo (2010), Dias de greve (2009) e Rap, o canto da Ceilândia (2005).


Colaborou Ricardo Daehn


Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.