Especial Publicitário - Senai

Vencedores da Mostra Brasília foram revelados no encerramento do Festival de Brasília

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/09/2014 18:28 / atualizado em 24/09/2014 18:33

 

Daniel Ferreira/ CB.DAPress

 

Na noite de premiação do 47º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro foram revelados os premiados do Troféu Câmara Legislativa, conhecido como Mostra Brasília. O ceilandense Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós levou o troféu na categoria melhor filme de longa duração e um prêmio em dinheiro no valor de R$ 80 mil. A equipe da CeiCine subiu ao palco para um discurso breve do cineasta. “Tá massa! Obrigado pelo presente”, disse Queirós.



Enquanto isso o curta-metragem Crônicas de uma cidade inventada, de Luísa Caetano foi considerado o melhor filme curto. A produção Ziriguidum Brasília – A arte e o sonho de Renato Matos, de André Luís Oliveira, recebeu os troféus de melhor direção, trilha sonora e melhor filme na opinião do júri popular. “Preciso agradecer a toda a equipe e sobretudo ao Renato Matos que se entregou ao fime”, agradeceu Oliveira.

Protagonista do documentário, o cantor e compositor Renato Matos roubou a cena no palco do cinema. “Nunca ouvi minha música com a qualidade de som que existe no filme. Fiquei emocionado. Não tenho nada para tirar, nem para colocar nesta película. Preciso agradecer todos os meus anos de vida e de trabalho que tenho aqui. A gente sempre ganha um filme depois que morre e eu ganhei o meu ainda vivo”, brincou o baian, radicado em Brasília. Oportunamente, a banda do Festival tocou o sucesso de Matos: “Telefone é muito pouco pra quem ama como um louco e mora no Plano Piloto”.

A Associação Brasiliense de Cinema e Vídeo (ABCV) homenageou a pesquisadora de cinema da Brasília. “Há 32 anos frequento este festival. É a primeira vez que piso neste palco. Aqui é meu templo de reflexão. O cinema é minha verdadeira religião. Dedico o troféu aos amigos do cinema de Brasília”, agradeceu Berê.

Mariana Vieira, Ricardo Daehn, Juliana Figueiredo e Yale Gontijo

Paula Bittar (Especial para o Correio)

 

Confira a lista completa de vencedores

 

PREMIADOS

JÚRI OFICIAL

Melhor Longa-Metragem

Branco Sai. Preto Fica, de Adirley Queirós

Melhor Curta-Metragem

Crônicas de uma cidade inventada, de Luísa Caetano

Direção

André Luiz Oliveira, por Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos

Ator

Marquim do Tropa, por Branco Sai. Preto Fica

Atriz

Klarah Lobato, por Querido Capricórnio

Roteiro

Fáuston da Silva, por Ácido Acético

Fotografia

Dani Azul, por Meio fio

Montagem

Guille Martins, por Branco Sai. Preto Fica

Direção de Arte

Luiz Fernando Skopein, por À Mão Armada

Edição de Som

Guille Martins e Camila Machado, por Branco Sai. Preto Fica

Captação de Som Direto

Francisco Craesmeyer, por Branco Sai. Preto Fica

Trilha Sonora

Renato Matos, por Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos

JÚRI POPULAR

Melhor Longa-Metragem Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos, de André Luiz Oliveira

Curta-Metragem

Ácido acético, de Fáuston da Silva

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.