Corpos dos militares que morreram no Haiti chegarão ao Brasil na quarta

De acordo com o comandante do Exército, Enzo Martins Peri, o Exército mantém 1.266 homens no Haiti, que ajudam na segurança do país, desde junho de 2004. Durante coletiva, o comandante informou também que os corpos dos 16 militares mortos no Haiti chegarão ao Basil na quarta (20)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/01/2010 19:09

O comandante do Exército, Enzo Martins Peri, garantiu que o Brasil tem tropas suficientes e prepadas para duplicar a atuação do Brasil no Haiti. Em entrevista coletiva no final desta tarde, o general revelou que a decisão do envio de mais militares da Força de Paz do país depende do que decidir a Organização das Nações Unidas (ONU). Hoje, o Exército mantém 1.266 homens no Haiti, onde ajudam na segurança do país, desde junho de 2004. Agora, os militares estão atuando no socorro às vitimas do terremoto ocorrido na última terça-feira (12), que matou dezenas de milhares de pessoas e deixou a capital haitiana, Porto Príncipe, praticamente toda destruída. O comandante afirmou que os corpos dos 16 militares que morreram durante a catástrofe, chegam na quarta-feira (20) à Brasília e serão recebidas com honras militares. "Se fosse hoje (o envio de tropas) teríamos condições para dobrar o efetivo", afirmou Enzo Peri, lembrando que seria necessário, antes de levar novos efetivos, saber a natureza da tropa a ser enviada. O grupo que atua hoje em Porto Príncipe são de combatentes, mas pelo menos 250 militares são da área de engenharia e estavam ajudando na reforma das estradas e prédios públicos do Haiti. "Agora o país precisa ser reconstrído. O que vai precisar de obras, no entanto, está aquém de nossas tropas". O comandante do Exército ressaltou que, além de novos efetivos, a Força tem como enviar a Polícia do Exército (PE) para ajudar na segurança do país, hoje uma das principais preocupações das tropas brasileiras em Porto Príncipe.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.