Câmara aprova auxílio de R$ 500 mil a parentes dos 18 militares mortos no Haiti

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/02/2010 17:47

O Plenário aprovou nesta quarta-feira (3/2) o Projeto de Lei 6720/10, do Executivo, que concede auxílio especial de R$ 500 mil aos dependentes de 18 militares das Forças Armadas brasileiras mortos durante o terremoto do mês passado no Haiti.



O Brasil comanda a força especial da Organização das Nações Unidas (ONU) destinada a estabilizar a situação político-social naquele país. A matéria será votada ainda pelo Senado.

Os dependentes estudantes também terão direito a uma bolsa de R$ 510 até os 18 anos ou, no caso de universitários, até os 24 anos. O valor será atualizado nas mesmas datas e pelos mesmos índices dos benefícios do regime geral da Previdência Social.

Segundo o projeto, o auxílio especial será concedido sem prejuízo dos demais benefícios a que têm direito os militares. O Ministério da Defesa editará as normas necessárias para o pagamento do benefício, como cadastramento dos dependentes estudantes, comprovação de matrícula, frequência e rendimento escolar.

Vítimas
O terremoto que atingiu o Haiti, no dia 12 de janeiro deste ano, teve magnitude 7 (de grande porte) na escala Richter. De acordo com o Serviço Geológico Norte-Americano, o tremor, cujo epicentro estava a 15 quilômetros da capital, Porto Príncipe, é o mais forte que atingiu o país nos últimos 200 anos.

Estimativas mais recentes do governo haitiano contam mais de 200 mil mortos e 75 mil corpos já enterrados. O Haiti é o país mais pobre do continente americano.

Troca da tropa

Até a próxima sexta-feira (8/2), o Brasil fará a troca de todo o efetivo militar que está no Haiti. Para o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Jorge Armando Félix, coordenador do gabinete de crise (que toma decisões sobre as tropas brasileiras), a troca de todos os 1.266 homens neste momento "é benéfica porque os novos militares enviados não passaram pelo trauma causado pelo terremoto".

O governo enviará ainda um reforço imediato de outros 900 militares, já autorizado pelo Congresso Nacional e pela ONU, para atuarem na segurança do país e em ações de ajuda humanitária.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Mario
Mario - 03 de Fevereiro às 18:47
Este país é uma vergonha mesmo. Tudo é motivo para o Lula tirar proveito político. Presta atenção presidente!
 
Mario
Mario - 03 de Fevereiro às 18:47
Quantos do povo morrem vítimas de bandidos e até da polícia? Seja bala perdida ou imperícia. O militar conhece os riscos do cargo. Quantos policiais morrem no cumprimento do dever e ao final a família só recebe a bandeira nacional. Salvar vidas é ato heróico? Então que paramédicos, bombeiros recebam.