Sarkozy viaja ao Haiti para anunciar ajuda financeira ao país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/02/2010 15:31

O presidente francês Nicolas Sarkozy viaja nesta quarta-feira ao Haiti, onde anunciará uma ajuda financeira "extremamente significativa" para a reconstrução do país, devastado pelo terremoto do dia 12 de janeiro que deixou pelo menos 217 mil mortos. A visita de Sarkozy foi qualificada de "histórica" pelo presidente haitiano René Preval, já que se trata da primeira viagem de um presidente francês à antiga colônia vinculada ao país europeu pela língua e cultura. Sarkozy permanecerá no Haiti por poucas horas na manhã de quarta-feira já que, segundo fontes da presidência, houve "dificuldades técnicas" de organização. Os presidentes da França e do Haiti sobrevoarão de helicóptero as áreas mais afetadas pelo terremoto, em particular os arredores da capital Porto Príncipe. Depois, darão uma coletiva de imprensa durante a qual Sarkozy anunciará a ajuda francesa que será "extremamente significativa em termos financeiros", indicaram fontes da presidência. Uma das prioridades é ajudar na reconstrução do Estado haitiano, que perdeu no terremoto 40% de seus funcionários e quase todos os edifícios administrativos. "O terremoto é uma oportunidade para reconstruir os prédios, mas também e sobretudo o Estado", disse à AFP um diplomata francês, que lembrou que a ajuda bilateral francesa é de cerca de 30 milhões de euros anuais. O diplomata acredita em "um grande esforço na formação de quadros administrativos". Nesse contexto, a França poderá renunciar à ideia de reconstruir a sede da presidência haitiana no mesmo local, como havia anunciado Preval. "Reconstruí-la da mesma forma, no mesmo lugar, na falha do terremoto, é algo muito caro e complicado. Ainda que se trate de um símbolo, não vamos começar por ali", disse o diplomata. A França promoverá um movimento de descentralização no país, que concentra suas atividades essenciais em Porto Príncipe, onde vivem dois dos dez milhões de haitianos.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.