Infográfico mostra opinião do público da Rio+20 sobre temas da conferência

Mobilização no Rio reuniu 45 mil pessoas, a maior na história das cúpulas ambientais da ONU. Ela virou objeto de estudo na UnB

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/06/2013 08:00 / atualizado em 05/06/2013 13:12

Tina Coêlho/Esp. CB/D.A Press

Nos 10 dias dedicados à Rio+20, no ano passado, a capital fluminense foi tomada por 45 mil pessoas, brasileiras ou não, para participar da cúpula oficial e dos eventos paralelos. Para avaliar a opinião do público, a doutoranda da Universidade de Brasília Valéria Gentil-Nugent, 35 anos, elaborou a pesquisa Pós-Rio+20, do presente que temos ao futuro que queremos para saber o que a população entendia sobre a conferência. O grupo — formado por ela e mais dois estudantes — entrevistou 115 pessoas durante três dias de evento e os resultados viraram um artigo científico (confira as respostas no infográfico abaixo).




O rebuliço também chamou a atenção da doutoranda Carolina Lopes Araujo, 36 anos, do Centro de Desenvolvimento Sustentável da UnB. “Foi a primeira vez que a sociedade pôde participar da Plenária de Alto Nível, com direito a voz durante seis minutos — e isso foi um avanço importante”, explica Carolina, que esteve no Riocentro por todo o período. “Vi pessoas saindo da conferência extremamente desapontadas e outras que entenderam que aquilo era só o começo”, recorda-se.


Leia mais notícias do Ser Sustentável

O estudo da doutoranda quer avaliar como as exigências da sociedade estão inseridas no documento final. Para isso, ela identificou todos os verbos do texto para verificar os compromissos tomados — ou não. “Estou analisando o conteúdo dos discursos, as competências assumidas e as demandas da sociedade civil”, aponta. No ano que vem, a tese de Carolina será defendida, mas ela adianta que o protagonismo no documento final continua na mão dos líderes dos países. “A conferência inspirou políticas públicas e ações da sociedade e serviu para pressionar o governo”, ressalta.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.