Explore o preço justo no mapa; novidade é adotada em ecomercado de Brasília

Loja na Asa Norte deixa cliente escolher o preço do que compra. A prática, ainda pouco explorada na cidade, propõe reflexão sobre consumo consciente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/06/2013 08:00 / atualizado em 05/06/2013 13:12



No café do Bioon, um ecomercado que trabalha apenas com produtos orgânicos, naturais e ambientalmente corretos, os clientes são surpreendidos quando têm de decidir quanto pagar pelo que consumiram. O estabelecimento é pioneiro em Brasília nesse comércio, conhecido como de “preço justo”. Brownies, sucos naturais, pizzas sem glúten e outras opções estão disponíveis em um cardápio que não exibe preço nenhum. Caso o cliente queira pagar R$ 6 após comer um sanduíche e dois bolinhos de arroz, por exemplo, ele pode. Se preferir ir embora sem gastar um centavo, também.


Tina Coêlho/Esp. CB/D.A Press


Leia mais notícias do Ser Sustentável

“Quando tivemos a ideia do preço justo, a maioria das pessoas teve uma reação pessimista”, conta Davi Neves, sócio-propietário do Bioon. “O argumento era de que não daria certo porque o povo é desonesto.” Mas a realidade se mostrou diferente: Neves diz que, em quase um ano de funcionamento, apenas cinco clientes foram embora sem pagar. “Certa vez, uma mulher fez isso, mas no mesmo dia ligou para a gente avisando que havia se esquecido de dar o dinheiro. No dia seguinte, ela voltou e pagou”, lembra.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Gisela
Gisela - 05 de Junho às 14:35
Muito interessante a matéria sobre o mercado Bioon e a adoção do "preço justo". Que prospere sempre! Gisela H. Gordon