Centro de estudos debate impactos ambientais da produção de gás de xisto

O debate se deve à proximidade da realização do primeiro leilão de áreas para produção de gás de xisto no país, marcado para novembro deste ano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/06/2013 12:52 / atualizado em 05/06/2013 13:09

O Centro de Estudos e Debates Estratégicos recebe nesta quarta-feira (5/6), Dia Mundial do Meio Ambiente, às 15 horas na Câmara dos Deputados, o doutor em Ciências (Mineralogia e Petrologia) da Universidade de São Paulo (USP) Luiz Fernando Scheibe para fazer uma análise dos impactos ambientais que a produção de gás de xisto pode acarretar, principalmente na qualidade da água subterrânea e de mananciais superficiais no Brasil. A reunião ocorrerá na sala de reuniões da Mesa Diretora da Câmara.


O debate se deve à proximidade da realização do primeiro leilão de áreas para produção de gás de xisto no país, marcado para novembro deste ano pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Leia mais notícias do Ser Sustentável

Também conhecido como “gás não convencional”, o gás do xisto é obtido pelo fraturamento hidráulico das rochas. A ANP estima que as reservas desse recurso podem ser maiores que as do pré-sal, o que o torna uma fonte de energia economicamente promissora.

No entanto, ambientalistas criticam sua exploração, e há estudos que apontam o aumento da concentração de metano na água potável em lençóis freáticos com a “explosão” das rochas para obter o gás. Alguns países europeus, como França e Bulgária, proíbem a produção do gás de xisto.

O leilão de áreas para produção de gás de xisto será tema ainda de um debate do centro de estudos, no próximo dia 12, com a diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, que falará também sobre a atuação da agência e as perspectivas para o leilão do pré-sal em outubro.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.