Senador pede regularização da exploração de diamantes em terras indígenas

Segundo o parlamentar, a profissionalização da extração mineral no Brasil, sobretudo em terras indígenas, colocaria fim à rede de ilegalidades

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/06/2013 14:29

O senador Ivo Cassol (PP-RO) defendeu nesta sexta-feira (14/6) a regularização da exploração de diamantes na Reserva Roosevelt, em Rondônia. Segundo o parlamentar, a profissionalização da extração mineral no Brasil, sobretudo em terras indígenas, colocaria fim à rede de ilegalidades na região. "Temos a maior jazida de diamantes do mundo no estado de Rondônia e os índios não tem direito de tirar, mas o diamante sai no contrabando", criticou.


Segundo Cassol, a regularização ajudaria também a evitar conflitos violentos na região e garantiria melhor qualidade de vida para a população. "Índio não quer mais terra. Índio quer ter o direito de tirar das suas terras a riqueza que ela tem para não ficar com pires pedindo esmola", argumentou.

Leia mais notícias do Ser Sustentável

Obras
Cassol também criticou a situação de rodovias estaduais e federais que passam por Rondônia que, segundo ele, encontram-se em estado precário, esburacadas e com falta de pontes. O senador atribuiu a condição das rodovias à demora na emissão de licenças ambientais e à falta de fiscalização do governo. "O problema das nossas obras no Brasil não é falta de dinheiro, mas falta de entendimento dos nossos órgãos", assinalou.

Rondônia
Em seu discurso, o parlamentar criticou o atual governo de Rondônia. Segundo Cassol, o estado convive com greves, hospitais superlotados, e problemas de segurança pública. "Hoje é greve para tudo quanto é lado. A Polícia Militar, que tinha viatura, que tinha estrutura, que tinha condições de trabalhar, hoje não tem nem material de limpeza; nem papel higiênico há no banheiro. Enfim, a situação no nosso estado não está boa", disse.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.