Quando a água é notícia

Dia Mundial da Água foi criado pela ONU para chamar a atenção sobre a importância do tema

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/03/2014 10:20 / atualizado em 22/03/2014 14:29

Arquivo Pessoal
 

 

Sabemos todos: a água é um recurso essencial. Somos formados por 70% de água e não existiria vida na Terra sem essa molécula. O Brasil, sabemos também, é o país mais rico em água do Planeta: 18% da água doce renovável do planeta circulam, em média, por território brasileiro. A água é base de ecossistemas, alimenta cidades, campos e pessoas, sem falar na energia elétrica que, no Brasil, tem mais de 80% de sua produção assegurados por rios e reservatórios.



Leia mais notícias do Ser Sustentável

Festeja-se, hoje, o Dia Mundial da Água, data instituída pelas Nações Unidas para chamar a atenção de países e cidadãos sobre a importância desse recurso e a necessidade de se desenvolverem práticas e políticas que permitam a proteção desse bem natural coletivo. Mas além de importante, água é um recurso caprichoso, pois nem sempre se apresenta onde e quando se quer. É, também, um recurso frágil, alvo de diferentes tipos de contaminações e poluições. É, também, um bem difícil de ser administrado pois, muitas vezes, interesses poderosos se opõem querendo impor a sua forma de melhor aproveitamento da água. E, para complicar, em tempos bicudos de mudanças climáticas, são muitas as incertezas associadas ao seu futuro: será que vai faltar água por aqui?

Desde a Constituição de 1988, o Brasil vem buscando construir um sistema de gerenciamento das águas, envolvendo poder público, setores produtivos e sociedade, atuando no nível nacional, nos Estados e nas bacias e regiões hidrográficas. Muito se fez nesses últimos 26 anos: há hoje uma Agência Nacional e uma Agência Distrital de Água, conselhos de recursos hídricos e mais de 160 comitês de bacia instalados no País, colaborando na adoção de práticas de uso e de proteção da água.

 

Mas a receita para uma boa gestão da água é bem simples: ela é baseada em cinco regras que, se observadas, por homens e mulheres de boa vontade, certamente levam a um uso sustentável e à proteção desse recurso: 1) não pode haver muita água para as pessoas; 2) não pode haver pouca água para as pessoas; 3) a água dos rios e lagos deve ser limpa; 4) a água que se bebe deve ser potável; e 5) a água que se usa deve ser tratada. Expliquemos: 1) muita água está associada a enchentes e inundações, 2) pouca água está à origem das secas e estiagens, 3) mau uso do solo e atividades humanas poluem a água, 4) falta de acesso à água potável causa doenças e perda de qualidade de vida e 5) falta de tratamento de esgotos urbanos e industriais contamina e polui mananciais.


E se uma dessas regras não é observada, a água vira notícia, com triste evocação e notoriedade negativa. Recentemente, estamos acompanhando sérios problemas de enchentes na Amazônia e de estiagens, não só no Nordeste, mas também no Sudeste, inclusive em São Paulo, maior metrópole brasileira. Estaríamos tentados a culpar o clima e a natureza nesses casos. Mas há muito de hipocrisia nesse argumento: afinal de contas somos nós que ocupamos áreas inundadas e que nos expomos aos riscos, assim como somos nós que consumimos água em excesso e que administramos as reservas de água das represas e açudes. Do mesmo modo, água vira notícia quando manchas de óleo poluem o Lago Paranoá, quando aumenta a incidência de diarreias em crianças em Alagoas pela falta de água tratada ou quando nos deparamos com os índices vergonhosos de coleta e de tratamento de esgotos no Brasil. No entanto, se aquelas cinco regras simples tivessem sido observadas, nenhum desses problemas teria ocorrido e a questão da água não teria sido tratada, mais uma vez, por meio de uma (má) notícia.


No seu Dia Mundial, a Água é lembrada mais por sua importância que por suas mazelas. Que seja esse um dia de reflexão para todos nós, indivíduos e sociedade, sobre a necessidade de se tratar melhor esse bem tão precioso. Com conhecimento, consciência e cidadania, quem sabe, cada vez mais, a água não faça parte do conjunto de boas notícias veiculadas.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.