Fórum de agronegócios mostra problemas na produção de alimentos no Brasil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/03/2014 17:09 / atualizado em 26/03/2014 17:14

Terminou na terça-feira (25/3), em São Paulo, o Global Agribusiness Forum 2014. A conferência teve dois dias de palestras e debates sobre o agronegócio mundial e contou com a presença de Kumi Naidoo, diretor executivo do Greenpeace Internacional.


Entre os assuntos discutidos no fórum, um em especial chamou a atenção do público. Hoje, a forma como o Brasil produz alimentos é baseada no uso intensivo de aditivos químicos e depende em grande parte de combustíveis fósseis para a produção de pesticidas, por exemplo. Um dos pontos abordados na conferência cita ainda a existência de dois modelos paralelos de agricultura: um que é baseado na monocultura – plantio de um só tipo de produto agrícola – e no uso intensivo de químicos e o outro que se baseia na agricultura familiar ecológica.

A agroecologia, outro termo dado ao modelo, é uma forma do Brasil avançar no equilíbrio entre produção em escala e sustentabilidade. Segundo Naidoo, “a situação no Brasil ilustra os problemas e as falhas do nosso sistema alimentar. A monocultura representa perda de diversidade na dieta nacional, o que, por sua vez, afeta a saúde pública. Acho que está claro que precisamos repensar o modelo de produção”.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.