Uma alta conta a pagar

Com a elevação da temperatura global, os investimentos em saúde também precisarão crescer. No Brasil, estudo mostra que, no fim do século, gastos do SUS com internações por dengue e leishmaniose podem aumentar 275% e 57%, respectivamente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/08/2014 15:44

Bruno Domingos/Reuters
 

 

Há muito tempo, cientistas e ambientalistas avisam: o planeta vai cobrar caro pelas agressões sofridas. E sobrará para todos, poluidores ou não. Mais vulneráveis aos impactos das mudanças de temperatura e precipitações, países que pouco ou nada contribuíram para a liberação de gases do efeito estufa na atmosfera poderão pagar tanto ou ainda mais que os grandes emissores. Embora não seja fácil fazer os cálculos, estudos econômicos preveem que os gastos com as consequências das mudanças climáticas provoquem, nos cofres públicos, um rombo maior do que o causado na camada de ozônio.



Os impactos econômicos vão variar regionalmente, mas projeções do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) das Nações Unidas indicam que, em média, as perdas globais com um aumento de 4ºC na temperatura abocanhará entre 1% e 5% do Produto Interno Bruto (PIB) das nações. Os cálculos consideram apenas as perdas, ficando de fora o que será necessário investir em políticas de adaptação e mitigação.

Leia mais notícias do Ser Sustentável


Na saúde, é ainda mais complicado estimar o custo das mudanças climáticas. “O público em geral e mesmo os formuladores de políticas geralmente não compreendem o que está por trás dos valores”, destaca o economista desenvolvimentista Guy Hutton, do Banco Mundial, no artigo A economia da saúde e das mudanças climáticas: evidências chaves para tomada de decisões. O especialista salienta que não há um padrão metodológico — enquanto alguns estudiosos se concentram nos custos diretos, como gastos com hospitalização, internação e medicamentos, outros se dedicam às perdas com seguro saúde e aposentadorias precoces, por exemplo.

No Brasil, um estudo inédito da Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais, mensurou os impactos que duas importantes doenças no país — a dengue e a leishmaniose — terão sobre a saúde, tanto do ponto de vista do tratamento quanto da perda de renda familiar. Em sua tese de doutorado, o economista Chrystian Soares Mendes concluiu que, no fim do século, os custos anuais das internações por dengue vão crescer 275%, em relação a 1992-2002, no cenário climático mais pessimista. As hospitalizações por leishmaniose aumentarão 15%, com elevação de 57% no custo das internações. Juntos, os gastos com os pacientes das duas enfermidades ultrapassarão R$ 3,5 millhões por ano para o Sistema Único de Saúde (SUS). As perdas econômicas familiares também serão significativas: R$ 1,9 milhão anual no caso da leishmanioses, e R$ 11 milhões em relação à dengue.

Incidências
Mendes conta que seu interesse em pesquisar o tema veio do fato de não ter encontrado, no país, trabalhos sobre as duas doenças com uma abordagem econômica. Natural de Montes Claros, o economista lembra que na cidade mineira está a maior incidência de leishmaniose visceral do estado. Essa é a forma mais grave do mal, que também se manifesta na versão cutânea ou tegumentar. Em ambos os casos, a transmissão é feita pelo mosquito-palha (Lutzomyia longipalpis), que hospeda protozoários do gênero Leishmania. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, a cada ano, 2 milhões de pessoas sejam infectadas.

O Brasil concentra 90% dos casos da América Latina, com 700 mil ocorrências registradas de 1979 a 2009, com 71,1% delas no Norte e no Nordeste. Nesse período, foram 5 mil óbitos — 62,9% no Nordeste e 9% no Norte. De acordo com Mendes, na última década, o perfil de distribuição geográfica das leishmanioses mudou, com a doença chegando ao Sul. Entre 1980 e 1999, houve apenas 10 casos confirmados na região, mas, entre 2000 e 2010, esse número passou para 119. Já a incidência da dengue, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, aumentou 30 vezes nos últimos 50 anos em todo o mundo. Na América do Sul, entre 2001 e 2007, o Brasil foi responsável por 98,5% dos casos, que hoje se concentram particularmente nas regiões Sudeste (36,79%) e Nordeste (41,48%).

Para a tese de doutorado, o economista fez o levantamento no SUS das internaões por dengue e leishmanioses em todos os municípios brasileiros no período base de 1992-2002, assim como os custos médios e a quantidade de dias de hospitalização. Ele também consultou informações do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) para os cálculos de perda de renda. “Ao pegar o valor da renda média da população brasileira no período, que era de R$ 903,77, isso nos fornece uma média diária de R$ 30,12. Por exemplo, se a pessoa perdeu 10 dias de trabalho, ela teve uma perda de R$ 301,20 devido à doença. É uma conta simples, mas que nos fornece a perda por conta da internação”, explica.

Variáveis
Em seguida, o economista fez a previsão do número de internações por leishmanioses e dengue nos períodos de 2010-2039, 2040-2079 e 2080-2100 com base em dois cenários climáticos elaborados pelo IPCC: o A1B e A2, que estimam aumentos de temperatura de 2,8ºC e 3,4ºC até o fim do século, respectivamente. A partir daí, Mendes utilizou equações para simular a incidência das doenças no futuro, associadas à variação da temperatura, do padrão de precipitações e das duas variáveis juntas. “As estimativas indicaram que haverá uma elevação drástica tanto das leishmanioses como da dengue em todas as regiões do país”, conta.

Enquanto a umidade influenciou mais a proliferação da leishmaniose do que a temperatura, com aumento 15% e 13% nas hospitalizações (cenários A2 e A1B, respectivamente), as duas variáveis tiveram forte impacto sobre a dengue. O conjunto será responsável por uma elevação de mais de 19 mil internações pela enfermidade no fim do século, uma variação de 200% em relação ao período base do estudo. Rondônia, Pará, Amazonas, Bahia, Maranhão, Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul serão os estados mais atingidos. No já árido Centro-Oeste, ocorrerá o contrário, com redução das hospitalizações tanto para leishmaniose quanto para dengue.

Em termos econômicos, o aumento do número de internações por leishmaniose no país levará a perdas de renda média familiar de mais de R$ 1,9 milhão por ano. Os custos anuais do governo também vão crescer, passando de R$ 85 mil entre 2010-2039 para R$ 120 mil de 2070-2099, no cenário A1B. O outro modelo, A2, tem impacto R$ 10 mil maior no último período. “A dengue, por sua vez, registrou uma elevação ainda mais intensa que a leishmaniose, pois, em algumas regiões, as perdas de renda média totalizarão mais de R$ 11 milhões até o fim do século pelo cenánio A2, o mais pessimista para esse período”, conta o economista.

Peso
Quanto às internações, o peso no SUS passará de R$ 800 mil (2010-2039) para R$ 3 milhões (2070-2099) no cenário menos pessimista. Pelo modelo A2, no fim do século, as hospitalizações de pacientes com dengue consumirão R$ 3,8 milhões anuais. Gastos com medicamentos também devem ser levados em conta, observa o autor do estudo. Para leishmaniose, o tratamento padrão chega a custar US$ 2.190 por paciente. Como os remédios são fornecidos pelo governo, será uma conta a mais para os cofres públicos quitarem.

Por meio da assessoria de imprensa, a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde afirmou que “os efeitos sobre a saúde humana podem comprometer seriamente os resultados já obtidos na saúde pública”. “Vale ressaltar que as vulnerabilidades geográficas, sociais e econômicas da população, bem como as de infraestrutura e ambiental influenciam nos efeitos da mudança do clima e na capacidade de resposta do SUS. Assim, uma análise multidisciplinar e a integração das políticas públicas sociais e econômicas e da sociedade são essenciais para a obtenção de resultados efetivos”, conclui a nota.

"Se a pessoa perdeu 10 dias de trabalho, ela teve uma perda (em média) de R$ 301,20 devido à doença. É uma conta simples, mas que nos fornece a perda por conta da internação"
Chrystian Soares Mendes, economista

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.