Alunos são os novos educadores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/09/2014 17:25

Telmo Ximenes/Divulgação
 

 

O uso das plantas como fonte de saúde e na prevenção e tratamento de doenças é uma prática aplicada desde os primórdios da história e que perdeu força com o tempo. Para cultivar e expandir esses conhecimentos milenares foi criado o Projeto Preservar.



A iniciativa teve início em 2001 por uma rede de farmácia de manipulação do Distrito Federal e utiliza a chácara da própria farmácia para colocar em prática o projeto. O mais interessante é que os monitores do programa são 31 crianças, de sete a 14 anos, alunas do Centro de Ensino Fundamental Vargem Bonita. Cada um recebeu instruções durante três semanas sobre os benefícios das plantas terapêuticas e guiarão os visitantes do Projeto Preservar na chácara em Vargem Bonita, zona rural do DF.

A professora Vanusa Cruz, responsável pelos alunos do sexto ao nono ano do ensino fundamental, conta que cada criança ficou responsável por aprender em média sobre três plantas. “É de grande valia para esses meninos e meninas terem contato com esses conhecimentos da natureza. É ainda mais importante colocá-los como orientadores do projeto, porque cria neles um sentimento de responsabilidade que muito ajuda na formação de cada um”, ressalta Vanusa.

O intuito do projeto, além de ensinar sobre os benefícios da natureza é esclarecer para a população as melhores formas de administrar cada um dos medicamentos naturais. “Hoje vemos uma geração que mais trata patologias do que as previnem. Isso muito nos preocupa e o Preservar foi a forma que encontramos de combater essas estatísticas”, explica Rogério Tokarski, idealizador do projeto.

Serviço
Projeto Preservar 2014

Quando: De 15 a 26 de setembro, com visitas agendadas
Onde: Chácara 21 no Núcleo Rural Vargem Bonita, chácara 21
Agendamento: (61) 3346-2273, falar com Nayara ou Juliana
A visitação é gratuita e aberta ao público

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.