Publicidade

Correio Braziliense

Pesquisa indica conteúdos que mais caem na prova do Enem

Confira o que mais cai em física e geografia, já disponíveis. Projeto fará o levantamento de todas as áreas de conhecimento até outubro


postado em 12/09/2018 16:43 / atualizado em 12/09/2018 20:48

À medida que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 se aproxima, os candidatos deverão intensificar os estudos. Não é para menos. As duas aplicações de provas ocorrerão em menos de dois meses, em 4 e 11 de novembro, e eles precisam estar preparados para o exame, que é uma das portas de entrada para o ensino superior em instituições de todo o país. Com tantos temas para estudar, poder mapear os mais recorrentes facilitaria a vida dos candidatos, certamente. Foi o que a equipe de professores do Curso Exatas de Brasília pensou e executou, trazendo estudos sobre os conteúdos mais recorrentes. 
 
O trabalho, iniciado em 3 de setembro, está em andamento,mas já disponibilizou, de antemão, os temas mais recorrentes de física e geografia.Estes estão disponíveis a todo o público (confira abaixo). A previsão é de que todas as disciplinas estejam à disposição dos alunos até outubro.

 
Demanda veio dos estudantes

Professor de física do Exatas e um dos coordenadores do projeto, César Augusto Severo, explica que a ideia surgiu para atender à demanda dos próprios estudantes. “Quando chega perto da prova, os meninos começam a ficar desesperados, principalmente aqueles que estudam há muito tempo e temem esquecer o que sabem. Então, fizemos isso por causa deles, de modo que possamos norteá-los sobre o que vai cair na prova e o que não vai.”
 
Um outro fator que influenciou a iniciativa dos discentes foi a onda das chamadas fake news, às notícias falsas que viralizam na internet. Elas, acredite, chegaram também ao universo de vestibulares e Enem, trazendo confusão nos estudantes. Segundo César, o temor é de que os alunos acessem conteúdos informativos falsos e cometam erros no exame. “A internet disponibiliza muita informação. A pessoa pode falar o que quiser, sem maiores consequências. Então, muitos acabam indo por esse caminho, que não é confiável. Estamos colaborando para que os alunos não corram esse risco”, ressalta.

 
Mecânica e eletrodinâmica são destaque em física

As estatísticas da matéria de física, presente na prova de ciências da natureza e suas tecnologias, foram baseadas nos exames de 2009 a 2017. No levantamento, nota-se os cinco conteúdos de maior incidência. São eles: mecânica (28%), eletrodinâmica (21,2%), ondas (17,2%), termologia (16%) e ótica (10%). Matérias variadas, como transformações e uso de energia (4,4%), magnetismo (2,8%) e eletrostática (0,4%), também figuram no levantamento.
 
Confira a tabela de física(foto: Divulgação/Curso Exatas)
Confira a tabela de física (foto: Divulgação/Curso Exatas)
Dentro de mecânica, a área mais cobrada, houve, ao longo do período estudado, 19 questões de dinâmica (27%), 16 de cinemática e 16 de hidrostática (23%) e 9 de energia mecânica (13%). Houve ainda incidência de temas sobre gravitação (6%), quantidade de movimento (6%) e movimento circular (3%). Eletrodinâmica está em segundo lugar no nível de exigência. Segundo os coordenadores, nesta disciplina houve 53 questões no período, a maior sobre corrente, tensão e potência.
 
César Augusto Severo orienta os alunos a refazer questões de exames anteriores do Enem e vestibulares em geral. “As questões, de um ano para outro, não são iguais. Quanto mais questões eles fizerem, mais provável de terem visto, com antecedência, as que mais aparecem na prova.”

 
Questões ambientais e agrárias predominam em geografia

Para a disciplina de geografia, os professores levantaram 10 conteúdos recorrentes entre 2012 e 2017. São eles: questões ambientais e globalização e blocos econômicos (15% cada), setor agrícola e agrário (12%), geopolítica (11%), geografia física (10%), urbanização (9%), questões demográficas, indústrias e transportes (8%), fontes de energia (7%) e cartografia (5%).
 
Confira a tabela de geografia(foto: Divulgação/Curso Exatas)
Confira a tabela de geografia (foto: Divulgação/Curso Exatas)

Em questões ambientais, aquecimento global, energia e urbanização estão entre os temas mais abordados. Quanto à globalização, caem sempre questões sobre cadeias produtivas globais e seus impactos econômicos, sociais e no mundo do trabalho. Nesse tema, vale estudar também as perspectivas de comércio global, em uniões comerciais e políticas como o Mercosul, União Europeia e Nafta.
 
Professor de geografia e coordenador da pesquisa, Sérgio Agner dá quatro dicas essenciais, que podem orientar o aluno a fazer uma boa avaliação. A primeira delas é refazer questões de provas anteriores. “Isso serve para que o aluno estude com eficiência. As perguntas não serão as mesmas, mas há repetição no formato da questão”, explica. A segunda orientação é ler materiais didáticos de diferentes tipos. “Pode ser desde os livros que têm na escola até os específicos para o Enem. Esse é um método que ajuda muito”, destaca o professor.
 
Estar antenado aos assuntos atuais também é um fator importante para Sérgio. “Ele pode fazer isso assistindo jornais e documentários que abordem assuntos sobre água, a questão hídrica e meio ambiente.” A última dica docente é assistir às aulas com foco e atenção. “O aluno tem que perguntar ao professor, se tiver dúvida. Outra coisa é ele ir com a matéria da próxima aula previamente lida.”
 
 
*Estagiária sob supervisão de Ana Sá