Publicidade

Correio Braziliense

Inserir inglês e espanhol no cotidiano é a dica para o Enem

Participação de línguas estrangeiras pede capacidade interpretativa. Em live, professores sugerem vocabulário enriquecido por séries, música, poemas e noticiários no dia a dia


postado em 21/10/2019 15:36 / atualizado em 21/10/2019 17:23

 
As línguas estrangeiras do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), tema do especial do Correio desta semana, ganharam novo protagonismo em live ocorrida nesta segunda-feira (21). Os professores Antônio Cosme (inglês) e Janini Garcia (espanhol), do colégio Sigma, bateram papo com o apresentador Igor Caíque sobre a participação de suas disciplinas na prova de linguagens. 
 
Para eles, mostrar destreza na compreensão dos textos é o fundamental nas cinco questões dedicadas às disciplinas deles, em prova que será aplicada em 3 de novembro. “Na língua, nós temos cinco destrezas: as de produção escrita, oral, compreensão leitura e consciência comunicativa”, explica a professora Janini. No Enem, são as duas últimas que estão em jogo. “As habilidades do exame têm como padrão o uso da língua como meio de acesso às culturas, novas tecnologias e conhecimento a partir do idioma estrangeiro.”


Gêneros e temas

Trata-se de uma prova que prima pela variedade de gêneros textuais, observam os docentes. “Você vai encontrar textos, charges, tirinhas, poemas, música, vários formatos literários. Acessa esses conhecimentos a partir do espanhol ou do inglês”, afirma Janini. 
O professor Antônio Cosme concorda e acrescenta: “A cada ano, o Enem diversifica bem esses gêneros literários. Aluno acha que é só prosa, mas não é verdade. Uma tirinha, uma charge, um anúncio de venda, uma capa de revista, manchete, site com muitas imagens. Tudo para que o aluno desenvolva a capacidade de interpretação. Consegue achar linguagem não verbal também. Não adianta os alunos pensarem ‘eu sei o vocabulário e isso, por si só, vai me garantir, pois não vai”.

Para não se perder na língua, a sugestão dos professores do Sigma é inserir o inglês e o espanhol no seu dia a dia. Notá-lo no que o aluno consome, para além do mero entretenimento. “A grande dica é colocar a legenda de filmes e séries na língua estrangeira. Você vai reforçar a linguagem com a legenda. Ajuda demais a melhorar a compreeensão, aprendendo novas palavras e expressões”, diz Janini Garcia. 

Professora Janini: séries, noticiário e trechos de contos são as dicas da professora de espanhol(foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
Professora Janini: séries, noticiário e trechos de contos são as dicas da professora de espanhol (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
Como exemplo, ela lembra de La Casa de Papel, série de televisão espanhola lançada em 2017 e de estrondoso sucesso. “É uma reflexão sobre o que é o bem e o que é o mal. No Enem, cai também especialmente trechos de contos, de autores como Mario Benedetti, Eduardo Galeano, que inclusive caiu no ano passado. Também Mário Vargas Llosa e Gabriel Garcia Márquez”, enumera. 

O inglês caminha em direção semelhante, com produções que girem em torno de temas sociais relevantes. “O dever de cada é assistir uma série, porque é o que discutiremos na próxima aula. Música também. Já teve Bob Dylan, Hendrix, Bob Marley. São artistas que trazem temas sociais”, diz. Ele lembra ainda de One Day at a Time, outra série de sucesso atual. “Mostra os imigrantes latinos tentando vencer nos Estados Unidos, enfrentando o american way of life.”

A professor Janini sugere, ainda, a leitura do noticiário em língua estrangeira. Isso amplia o conhecimento do candidato e, de quebra, torna a sua compreensão dos temas mais interdisciplinar. “É bom ler jornais, principalmente. Com eles, você não só aprende a língua e conhece o vocabulário, como também pode estudar até outras matérias a partir das reportagens. Por exemplo, temos agora o conflito na Cataluña. É uma questão geopolítica e separatista. Um tema que precisa ser entendido, porque é culturalmente diferente do que vivemos aqui.”
 

Fluência

Mas afinal, qual o nível de exigência e compreensão que o inglês e o espanhol do exame exigem? Cosme relativiza a questão. “O conceito de fluência é bem amplo. A fluência, em si, é para ler, escrever, se comunicar oralmente? No Enem, há necessidade de fluência de leitura textual mesmo.”
Janini e Cosme: (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
Janini e Cosme: (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)

Uma variação substancial para vestibulares tradicionais é notada pelo professor de inglês. “O exame tem uma diferença grande, que são o enunciado e os itens, todos em português. Alguns alunos até cometem erros, porque acham que isso torna tudo mais fácil e não é bem assim.”

Para ele, a inserção da língua natal nas questões torna as questões, por vezes, até mais difíceis. “A fluência é até mais exigente. Afinal, há português e você precisa ir além”, diz “Se está na sua língua, você tem a obrigação de entender”, sintetiza Janini. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

Seleção exclusiva para PCD 07:00 - 11/11/2019 - Compartilhe

Seleção exclusiva para PCD

Brasília: futuro polo de moda internacional 07:00 - 11/11/2019 - Compartilhe

Brasília: futuro polo de moda internacional

Não há desenvolvimento sem educação 07:00 - 11/11/2019 - Compartilhe

Não há desenvolvimento sem educação

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade