Publicidade

Correio Braziliense

Veja o que fazer com a nota do Enem; resultados saem em 17 de janeiro

Confira opções de ingresso no ensino superior, incluindo ProUni, Fies, Sisu e estudo em Portugal. Notas estarão disponíveis na próxima sexta (17/1)


postado em 10/01/2020 14:55 / atualizado em 16/01/2020 21:39

Falta apenas uma semana para a divulgação das notas individuais do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019. Os resultados poderão ser conferidos a partir de 17 de janeiro na página do participante pelo portal ou no aplicativo do Enem.
 
Com a nota em mãos, os estudantes devem escolher qual ou quais programas usar para garantir uma vaga no ensino superior. As opções são diversas: instituições públicas espalhadas por todo país, bolsas e financiamentos em instituições particulares e até mesmo a possibilidade de ir estudar em Portugal. 
Mergulhe nas oportunidades que o Enem oferece de entrar no ensino superior(foto: Caio Gomez/CB/D.A Press)
Mergulhe nas oportunidades que o Enem oferece de entrar no ensino superior (foto: Caio Gomez/CB/D.A Press)
 
 
Além da nota final, o candidato terá acesso ao número de inscrição, imprescindível para se cadastrar no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e no Programa Universidade para Todos (ProUni). Entretanto, no momento da consulta costuma ser bastante comum que as pessoas não se lembrem mais da senha de acesso.
 
Para facilitar, a página do participante do Enem permite a recuperação da senha ou a alteração do endereço de e-mail. No intuito de ajudar, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela aplicação do exame, dá algumas orientações nesse sentido. Confira:

 Como recadastrar a senha: 

  • Acesse a página do participante do Enem.
  • Responda ao desafio de segurança proposto pela Nanda, uma personagem digital. O desafio é importante para evitar o acesso de robôs. 
  • Informe o seu CPF na página do participante e, em seguida, insira a senha. Caso você não se lembre da senha registrada na inscrição, clique no link “Esqueci minha senha”, que está logo abaixo do campo de preenchimento.
  • O sistema vai pedir para o usuário escolher se a senha cadastrada será enviada para o e-mail registrado durante a inscrição ou se quer alterar o e-mail. O sistema dá uma pista para que o participante se lembre de qual e-mail foi cadastrado durante a inscrição.
  • Se o participante optar por receber a senha no e-mail cadastrado, basta procurar na caixa de entrada. Caso não encontre, vale olhar na caixa de spam! Quem não tem mais acesso ao e-mail informado na inscrição ou quiser apenas trocar o endereço do correio eletrônico tem apenas que seguir as orientações.
  • O participante deverá responder às perguntas solicitadas a respeito dos dados informados na inscrição. Acertando todas as respostas, é só informar o novo e-mail.
  • Pronto! O Inep vai enviar a senha para o novo e-mail e o participante poderá acompanhar suas notas no exame. É possível, inclusive, consultar os resultados de edições passadas, caso o usuário tenha feito o Enem em outros anos.
Ainda não entendeu? Então, assista ao vídeo feito por porta-voz do Inep explicando o passo a passo. 
 

E agora, o que fazer com a nota do Enem?

Agora que você já sabe como acessar a nota e recuperar a senha, o próximo passo é escolher a forma de tentar ingressar na faculdade usando a nota do Enem. É o momento em que a ansiedade bate e algumas dúvidas passam pela cabeça do vestibulando. Não se desespere caso a nota não seja o suficiente para a sua primeira opção de curso, por exemplo.
O professor de matemática Domingos Fonteneles Dias (Domingão) dá dicas de como monitorar o Sisu(foto: Arquivo pessoal)
O professor de matemática Domingos Fonteneles Dias (Domingão) dá dicas de como monitorar o Sisu (foto: Arquivo pessoal)
O professor de matemática e raciocínio lógico do Colégio Presbiteriano Mackenzie Domingos Fonteneles, conhecido como Domingão, formado pela Universidade Paulista (Unip), aconselha o candidato a avaliar outras possibilidades. Primeiramente, no que se refere ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que seleciona alunos para universidades públicas, é importante monitorar o site, uma vez que as notas de corte mudam durante os quatro dias de inscrição.
 
Com esse monitoramento, é possível mudar o câmpus, o turno ou até mesmo a universidade escolhida para que a nota se encaixe. O que aumenta as suas chances de passar. “As universidades têm autonomia de utilizar os resultados do Enem como bem entenderem. Com isso, os pesos atribuídos à pontuação adquirida em cada parte da prova (matemática, linguagens, ciências da natureza e ciências humanas) podem ser diferentes, fazendo com que a nota do candidato não seja a mesma de uma instituição para outra”, explica.
 
Além disso, se você abrir mão daquela universidade, câmpus ou turno desejado, ainda pode aguardar a lista de espera que abre chance para outras chamadas. É possível também optar por entrar em uma área parecida com a pretendida. Por exemplo, às vezes, sua nota não é suficiente para passar em medicina, mas serve para entrar em enfermagem ou farmácia. No entanto, é preciso refletir se vale a pena mesmo entrar num curso que não é o mais desejado.
 
Segundo o professor de sociologia Rogério Póvoa, é importante ter um
Segundo o professor de sociologia Rogério Póvoa, é importante ter um "plano B" (foto: Arquivo pessoal)
Neste caso, Rogério Póvoa, professor de sociologia do Centro do Ensino Médio Taguatinga Norte (CEMTN), aconselha o estudante a escolher um curso com um núcleo comum de disciplinas e interesses. “Pode valer a pena experimentar viver um semestre nesse novo curso escolhido, especialmente se estivermos falando de uma vaga em uma universidade pública.” 
 
Se o “plano B” não for atrativo, continuar estudando para melhorar o desempenho na próxima edição do Enem é a melhor escolha. “Grupos de estudos com amigos que desejam fazer o mesmo curso são sempre muito proveitosos, além de cursinhos e estudos individuais”, recomenda. Ainda não conhece todos os programas de ingresso ao ensino superior? Confira abaixo. 

As portas de entrada do Enem 

 

Sistema de Seleção Unificada (Sisu)

De 21 a 24 de janeiro, candidatos que obtiveram nota acima de zero na redação do Enem 2019 poderão se inscrever para concorrer a uma das 237.128 vagas em universidades públicas ofertadas pelo Sisu. Para fazer a inscrição, basta que o estudante tenha obtido uma nota acima de zero na redação. Entretanto algumas instituições podem adotar notas e/ou médias mínimas para inscrição em determinados cursos.

 

O sistema fornece ainda a possibilidade de entrar na lista de espera para outras chamadas e algumas universidades oferecem vagas para o segundo semestre. Será possível escolher até duas opções de cursos ofertados pelas instituições participantes. As opções do aluno podem ser alteradas durante o período de inscrição, durante o qual as notas de corte são atualizadas uma vez por dia.

 

Beatriz optou pelo Sisu para tentar uma vaga em física médica na Universidade Federal de Goiás(foto: Arquivo pessoal)
Beatriz optou pelo Sisu para tentar uma vaga em física médica na Universidade Federal de Goiás (foto: Arquivo pessoal)

O sistema seleciona automaticamente os classificados em cada curso, de acordo com as notas no Enem e eventuais ponderações, como pesos atribuídos às notas ou bônus. Beatriz Maia, 16 anos, terminou o ensino médio no ano passado no Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação (Cepae), ligado à Universidade Federal de Goiás (UFG).

 

Ela tentará uma vaga no curso de física médica na UFG pelo Sisu. A segunda opção é biomedicina. A moradora de Goiânia (GO) conta que o irmão dela começou um curso em uma faculdade particular, mas precisou trancar por não conseguir pagar a mensalidade. “Eu não quero que aconteça o mesmo comigo, começar um curso e ter que parar por questões financeiras. Então, eu prefiro priorizar a universidade pública”, explica. 

 

Em 2018, quando estava no 2º ano do ensino médio, a candidata prestou o Enem como treineira e ficou satisfeita com o resultado. Segundo ela, a nota seria o suficiente para ingressar no curso desejado. Caso não passe este ano, Beatriz pretende fazer um cursinho preparatório e tentar o Sisu novamente. “Eu estou bem ansiosa”, afirma. 
 

Atenção: a Universidade de Brasília (UnB) não adotará mais ao Sisu


 
Neste ano, as inscrições em cursos da UnB por meio da nota do Enem foram feitas com edital próprio da universidade. Os interessados tiveram de se isncrever antes da publicação dos resultado do Enem, entre 13 de novembro a 6 de dezembro de 2019. Os candidatos escolheram o curso pela página do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) e já estão concorrendo a uma das 2.112 vagas ofertadas para os quatro câmpus da instituição.
 
Thales Alexandre fez o Enem pela quarta vez. Neste ano, se inscreveu no sistema próprio da UnB para tentar uma vaga em psicologia(foto: Arquivo pessoal)
Thales Alexandre fez o Enem pela quarta vez. Neste ano, se inscreveu no sistema próprio da UnB para tentar uma vaga em psicologia (foto: Arquivo pessoal)
 
 
A UnB terá acesso ao banco de dados do Enem assim que as notas forem divulgadas pelo Inep. Então, o sistema gerará a lista de aprovados automaticamente. Thales Alexandre, 21 anos, concluiu o 3º ano do ensino médio em 2015 no Centro de Ensino Médio (CEM) 1 de Brazlândia e tenta pelo quarto ano consecutivo uma vaga em psicologia. Desta vez pelo novo sistema da UnB.
  
Ele concorrerá a vaga por meio de cotas para alunos de escolas públicas, com reserva de vagas para candidatos que se autodeclararem pretos, pardos ou indígenas (PPI). “Achei bem interessante porque, no ato de inscrição, você precisa justificar, por exemplo, porque você se considera pardo ou negro”, diz Thalles.
 
Para ele, a saída da UnB do Sisu não é negativa. "O fato de o sistema ser da própria universidade deixa tudo mais humano", afirma. O estudante afirma estar confiante. “Como é a minha quarta vez, estou neutro. Esse foi o ano que mais me dediquei aos estudos, então, se for pra ter um resultado bom, será agora”, explica. No Distrito Federal, a Escola Superior de Ciências da Saúde (Escs) e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB) continuam utilizando o Sisu como método de entrada.
 

Simulador Sisu 2020

A plataforma de estudos on-line Stoodi lançou plataforma que simula a nota do Enem no Sisu e permite ao estudante uma previsão de como será a performance quando for divulgado o resultado oficial.

 

Funciona da seguinte forma: o participante informa os resultados do Enem das provas de matemática, ciências humanas, ciências da natureza, linguagens e códigos, e redação, seguido do curso desejado e a unidade da Federação em que pretende estudar.

 

Com base na nota de corte do sistema, serão estimadas as chances de aprovação na universidade. Para isso, basta se cadastrar no site e visualizar a estimativa. 

 

Programa Universidade Para Todos (ProUni)

Se o seu foco estiver nas universidades particulares, o ProUni é uma ótima opção. A iniciativa concede bolsas de estudo integrais (100%) e parciais (50%) em cursos de graduação e sequenciais de formação específica. As inscrições poderão ser feitas entre 28 e 31 de janeiro por brasileiros que não tenham diploma de curso superior e participaram do Enem em 2019.
 
A média exigida é de ao menos 450 pontos e mais que zero na redação. O programa é dirigido especialmente a candidatos que fizeram o ensino médio na rede pública ou na condição de bolsistas integrais com renda familiar per capita máxima de três salários mínimos. Para bolsas parciais, a renda familiar bruta mensal do participante deverá ser de até três salários mínimos por pessoa. Para as integrais, deve ser de até um salário mínimo e meio por pessoa.

Anna enxerga o ProUni como uma forma acessível de ingressar na faculdade(foto: Arquivo pessoal)
Anna enxerga o ProUni como uma forma acessível de ingressar na faculdade (foto: Arquivo pessoal)
 
As bolsas são ofertadas com base nos valores cobrados na mensalidade das instituições de ensino particulares. Anna Godoy, 17, saiu do ensino médio no ano passado. Formada pelo Centro Educacional (CED) 5 de Taguatinga, ela quer cursar enfermagem e já tem uma faculdade preferida: o Centro Universitário Iesb.
 
Durante o ano passado, assinou um curso on-line pré-vestibular para estudar. A jovem tentará ingressar no ensino superior pelos outros meios, mas está mais esperançosa com o ProUni. “O ProUni é uma forma acessível de ir para a faculdade. Abre portas para quem não tem condições de pagar.”

Financiamento Estudantil (Fies)

Quem deseja financiar os estudos pode concorrer a uma das 100 mil vagas ofertadas pelo Fies. Para participar do processo seletivo, o candidato pode ter participado de qualquer edição do Enem desde 2010 e ter média das provas igual ou superior a 450 pontos e não ter zerado na redação. Fique atento! No ano que vem, o programa ficará um pouco mais rigoroso. Será preciso obter nota superior a 400 no texto.
Para Carla Catarine, o Fies é uma segunda opção(foto: Arquivo pessoal)
Para Carla Catarine, o Fies é uma segunda opção (foto: Arquivo pessoal)
O Fies foi renovado este ano e agora é dividido em duas modalidades. A primeira oferta vagas com juros zero para quem tem renda familiar de até três salários mínimos por pessoa. O aluno só começa a pagar de acordo com o seu limite de renda. Na segunda modalidade, há uma escala de financiamento que varia conforme a renda familiar do candidato — esse tipo é denominado P-Fies, voltado a estudantes com renda per capita mensal familiar de até cinco salários mínimos.
  
Carla Catarine Venâncio, 19, terminou o ensino médio em 2017 no Centro de Ensino Médio 9 de Ceilândia. Ela sonha cursar pedagogia na Universidade de Brasília (UnB). Em 2019, fez o Enem pelo terceiro ano consecutivo e, en 2020, se não passar, tentará o Fies. “Estou confiante que, desta vez, vou conseguir por ter na mente essa segunda opção”, conta. 

Universidades portuguesas

Já pensou em estudar fora do Brasil? Com a nota do Enem, você pode participar dos processos seletivos de instituições de educação portuguesas. São 47 universidades, institutos politécnicos e escolas superiores que firmaram acordo interinstitucional com o Inep. Cada instituição define as regras e os pesos para uso das notas.
Iara cursa o ensino superior em Portugal graças à nota do Enem(foto: Arquivo Pessoal)
Iara cursa o ensino superior em Portugal graças à nota do Enem (foto: Arquivo Pessoal)
No Hemisfério Norte, o semestre começa em setembro e termina em julho. Iara Ferreira, 21 anos, está no 5° semestre de economia na Universidade do Porto, em Portugal. Em 2017, ela participou do processo seletivo para estudantes internacionais e usou a nota do Enem para concorrer.
 
A brasileira conta que o aprendizado tem sido enriquecedor. No entanto, ela garante que não é um mar de rosas. Há dificuldades, como estar longe da família. O contato com uma outra cultura e uma nova metodologia de ensino faz valer a pena. Outro ponto positivo é a independência que conquistou por ter ido sozinha.
 
“Eu acho uma experiência superválida que todo mundo devia ter por pelo menos alguns meses. É bem bacana” afirma. Apesar de parecer vida de filme, a estudante pondera que nem tudo são mil maravilhas. Alguns dias são mais difíceis que os outros e as pessoas nem sempre serão tão receptivas.
 
“Tem que ter muito pé no chão”, recomenda. “É muito importante pesquisar antes de vir. Tem grupos no Facebook em que você pode perguntar, ir atrás de informações. Você vai precisar disso”, aconselha aos futuros colegas. 
 

Mais universidades estrangeiras 

O Inep tem convênio formal fora do país unicamente em Portugal e negocia acordos com instituições de ensino espanholas. Entretanto, outras universidades estrangeiras podem aceitar a notas, mesmo sem convênio firmado. 
 
Uma delas é a New York University, nos Estados Unidos. A universidade passou a aceitar a nota do Enem de candidatos brasileiros em substituição às provas padronizadas (SAT ou ACT). A aceitação da nota se dá graças à criação da Test Flex Policy (Política de Teste Flexível) pela NYU para facilitar a candidatura de estudantes de todo o globo.
 
Para se inscrever clique aqui, selecione o Brasil como país e o Enem como sua credencial de educação e confira os documentos necessários. 
 
Mais universidade são adeptas ao mesmo processo seletivo. Acesse e candidate-se:

Ingresso direto

Em algumas faculdades particulares, o candidato pode entrar sem precisar fazer uma nova prova ou pagar taxas. As vantagens podem ser descontos, bolsas de estudos ou o financiamento das mensalidades. Os pré-requisitos variarm em cada uma delas.
 
Vale a pena conferir o site ou comparecer diretamente à instituição de ensino desejada. No Distrito Federal, essa forma de ingresso é aceita, por exemplo, pelo Centro Universitário de Brasília (UniCeub), Faculdade Anhanguera, Centro Universitário Planalto do Distrito Federal (Uniplan), Universidade Católica de Brasília (UCB) e Fundação Getulio Vargas (FGV).
 

Quero Bolsa

Quero Bolsa é uma plataforma que conecta alunos a instituições de ensino para oferecer vagas e bolsas de estudo com descontos de 5% a 75% em cursos de ensino superior, ensino básico, idiomas e intercâmbio em todas as regiões do país. 

 

As inscrições são feitas no site de maneira rápida e simples. Basta acessar a página inicial do Quero Bolsa, preencher o curso desejado, se tem pretensão em alguma faculdade específica, a cidade na qual quer estudar, optar por um curso presencial e/ou a distância e até quanto pode pagar.

 

Pronto! Depois é só escolher uma bolsa disponível em umas das 1.600 instituições de ensino superior parceiras, adquirir a pré-matrícula e usufruir do percentual de desconto até o fim do seu curso. 

 
*Estagiária sob supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade