Publicidade

Correio Braziliense

Enem: Inep divulga apostilas de correção da redação

Os manuais eram de uso exclusivos dos avaliadores do exame. Agora, estão disponíveis para os candidatos. Confira dicas de professores para uma boa redação


postado em 29/05/2020 19:36 / atualizado em 29/05/2020 21:33

Nesta semana, o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) disponibilizou para todos os estudantes que estão se preparando para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) as apostilas de capacitação dos corretores de redação, elaboradas para a edição de 2019. O material, que era de uso restrito aos avaliadores, agora está disponível no para download no portal oficial do Inep.
 
(foto: Inep/Reprodução)
(foto: Inep/Reprodução)
Ao todo, são seis manuais de correção da redação que detalham os critérios de avaliação de cada uma das cinco competências cobradas no Enem e as situações que levam à nota zero. Além dos manuais, foram publicados as cartilhas do participante dos anos de 2017, 2018 e 2019. 
 
Além dessas apostilas, no portal do Inep, é possível acessar todas as provas do exame e os respectivos gabaritos. Além disso, participantes surdos têm todas as questões disponíveis em videoprovas à disposição na plataforma. Acesse os manuais e cartilhas aqui.

Transparência nos critérios de avaliação 

A nota da redação tem importante papel na composição final da pontuação do participante. A avaliação exige do candidato o domínio das chamadas competências que são: domínio da escrita formal da língua portuguesa; compreensão do tema proposto; adequação ao tema; argumentação e proposta de intervenção. 
 
Daniel Lima, professor de redação há 15 anos(foto: Arquivo pessoal)
Daniel Lima, professor de redação há 15 anos (foto: Arquivo pessoal)
 
Para o professor de redação Daniel Lima, o material recém-liberado pelo Inep trará mais informação e clareza para estudantes e professores sobre como é feita a correção da prova dissertativa. “Facilita quando o professor vai trabalhar em sala de aula e quando o aluno vai procurar informação porque, muitas vezes, ele vai para a prova com algumas orientações que foram passadas, mas não tem muita certeza de quais critérios o avaliador vai usar na hora de corrigir”, diz.
 
Existem vários sites que oferecem serviço de correção de redação on-line. “Eu via muita discrepância em relação às correções das redações nessas plataformas. Eles corrigiam com o critério deles. Agora, com os manuais do Inep, acredito que esses corretores de sites corrigirão com uma visão mais próxima da da banca.” Daniel Lima é professor de redação nas instituições Espaço Campus, Estúdio Aulas e Gran Cursos Online.

Chance de se direcionar 

Pedro Victor Rodrigues está se preparando para fazer o Enem para cursar medicina(foto: Arquivo pessoal )
Pedro Victor Rodrigues está se preparando para fazer o Enem para cursar medicina (foto: Arquivo pessoal )
 

Embora seja de conhecimento dos estudantes que estão se preparando para o Enem o que pode zerar a redação e o que é cobrado em cada uma das cinco competências da redação, a divulgação das apostilas foi muito bem recebida pelos alunos. O estudante do 3º ano do ensino médio Pedro Victor Rodrigues, 17, avalia que o material é importantíssimo para entender como, de fato, a redação será corrigida. “Saber como cada competência é avaliada, saber pontos que podem ser descontados da nossa redação é muito importante para nós que vamos fazer o Enem”, conta.
 
Pedro Victor estuda no Colégio Objetivo de Taguatinga Norte e tem tido aulas por videochamada. Depois das aulas da escola, pela manhã, o estudante dedica a tarde a revisar. “Faço revisão de conteúdos, prático redação e dou uma olhada em repertórios socioculturais e nas notícias do dia, já que as atualidades são muito importantes para redação”, conta.

Um recurso a mais nos estudos 

Ana Clara Emerich sonha em cursar direito e fará o Enem como treineira(foto: Arquivo pessoal )
Ana Clara Emerich sonha em cursar direito e fará o Enem como treineira (foto: Arquivo pessoal )
 

Para a estudante Ana Clara Emerich, 15, a divulgação das apostilas pelo Inep ajudará muitas pessoas a entenderem melhor os critérios de avaliação. “Achei de suma importância, pois, com isso, o aluno tem um direcionamento de como estudar redação, que é a dificuldade de muitos. É um material tão bom que deveria ser mais divulgado. Isso é excelente”, diz.  

Ana Clara Emerich está cursando o 1º ano do ensino médio no Centro de Ensino Médio (CEM) 2 de Brazlândia. Sem aulas presenciais desde março, Ana Clara passou a receber conteúdos na plataforma Google Sala de Aula. “Os professores postam exercícios e matérias e estão disponíveis para tirar dúvidas dos alunos”, conta.
 
A jovem está inscrita  no Enem 2020 como treineira. Sobre a rotina de estudos, Ana Clara Emerich conta que não tem sido fácil manter o foco em meio a tudo que tem acontecido no mundo devido à pandemia. “Estou tentando fazer um cronograma e também uso como base de estudos uma plataforma on-line chamada Sala do Saber”, relata.

As apostilas não abrangem tudo  

Gabriel Remington professor de redação (foto: Arquivo pessoal )
Gabriel Remington professor de redação (foto: Arquivo pessoal )
 

Para o professor de redação do Colégio Marista João Paulo II Gabriel Remington, a iniciativa do Inep de liberar esse material para todos os professores e alunos foi uma forma de auxiliar os estudantes neste momento de suspensão das aulas presenciais devido à pandemia de covid-19. O ponto positivo é a clareza nas informações da correção que, antes, eram restritas apenas aos avaliadores e, agora, estão ao alcance de todos. 
 
No entanto, o professor pondera que o conteúdo presente nesses manuais não abrange tudo que os alunos devem estudar para a redação, já que elas esclarecem apenas como é feita a correção da redação. “Essas informações têm uma linguagem muito técnica, são muito específicas e partem mais do pressuposto de como levar em conta o processo de construção do texto na hora de ser avaliado”, diz o professor.
 
Gabriel Remington explica que é necessário que o estudante tenha um conhecimento técnico prévio da língua portuguesa para poder colocar em prática as informações contidas nas apostilas de forma mais tranquila. “Esse conhecimento é apoiado principalmente nos aspectos gramaticais, linguísticos e semânticos. Ou seja, são aspectos que não aparecem nessas apostilas, nesses manuais em si. Os manuais trabalham mais com o aspecto de funcionamento de cada uma das competências”, aponta.
 
Para o professor, embora esses materiais tragam informações claras no caso da competência 5, para entender melhor sobre as outras competências, o aluno já deve ter conhecimentos prévios de como funciona a estrutura de um texto dissertativo argumentativo, gênero cobrado pelo Enem.
 
“A competência 3, a qual exige que o candidato elabore uma argumentação hierarquizada e sólida, requer que ele tenha um conhecimento específico sobre esse gênero textual”, explica.  

Por onde começar?  

Veja as recomendações do professor de redação do Colégio Marista João Paulo II Gabriel Remington para usufruir do material liberado pelo Inep:
 
1) Os estudantes devem começar os estudos pelas apostilas menos técnicas, em especial a da competência 5, que trata da proposta de intervenção e que representa 200 pontos da nota total da redação.
 
2) Os alunos podem passar, então, para a apostila que envolve as situações que levam à nota zero porque, embora sejam informações conhecidas, o novo material liberado pelo Inep tem uma especificidade um pouco maior e auxilia a compreender de maneira mais ampla aquilo que não deve ser feito no texto. 
 
3) Depois disso, o participante deve explorar as competências 2 e 3, sobre o gênero textual e sobre o processo de argumentação, respectivamente.
 
4) As duas que sobram, a 1 e a 4, são muito densas porque elas tratam, a grosso modo, de gramática. Então, o conhecimento prévio do aluno será a chave para entender como essas competências funcionam. Se ele não tiver um desenvolvimento adequado sobre o funcionamento das regras padrão da língua portuguesa, não vai conseguir discernir exatamente o conteúdo que aparece nessas duas apostilas e como aplicar esse conteúdo na hora de fazer o texto. Existem algumas regrinhas bem claras, por exemplo: ele vai descobrir que não pode cometer mais de dois erros gramaticais; não é adequado repetir palavras, isso está na apostila da competência 4, envolvendo mecanismos de coesão. Ainda assim, as outras informações, que são as mais densas, não são tão acessíveis assim, mesmo que se estude a fundo cada uma dessas apostilas. 

Dica de especialista para um texto nota 1.000 

Daniel Lima, professor de redação, separou cinco dicas para gabaritar a redação. Confira:
 
1. Desenvolva o hábito de leitura
Você pode conhecer toda a teoria de como fazer uma boa redação, mas, se não souber escrever, seu texto não terá a qualidade desejada. Para demonstrar o domínio da modalidade escrita formal, é necessário desenvolver sua competência textual. Então, comece a ler livros de assuntos que lhe interessem. Não exija muito de si no início, duas ou três páginas diárias são um bom começo e, à medida que for desenvolvendo essa habilidade, aumente, gradativamente, a quantidade de páginas por dia.
 
2. Escreva com regularidade
Esse exercício proporcionará vários benefícios, como melhorar a qualidade da letra, acostumar-se com o tamanho do texto e aumentar a velocidade da escrita. Se você é uma pessoa que tem muita dificuldade de escrever, comece transcrevendo textos; depois, elabore paráfrases; e, por último, leia sobre determinado assunto atual e escreva a redação em seguida.
 
3. Observe com atenção os comandos da prova
Não é raro o candidato fazer uma abordagem tangencial ao tema, ou até mesmo escrever sobre um assunto paralelo, que é fuga ao tema. Se isso for constatado, sua nota será zero. Assim, na hora da prova, recomendo gastar alguns minutos para tentar interpretar o que a banca do Enem espera que você escreva.
 
4. Adote uma tese e selecione argumentos que a defenda
Texto dissertativo-argumentativo é um tipo textual que defende algo, sustenta determinado ponto de vista. Como a maioria dos textos que consumimos são expositivos, temos uma tendência a produzir redações informativas. Portanto, ao praticar, pergunte-se: meu texto está afirmando algo ou está informando? Se estiver afirmando, você está no caminho certo.
 
5. Dedique-se à proposta de intervenção
Esse aspecto garantirá 200 pontos na nota. Dessa forma, apresente uma solução para a problemática, um ator que irá executá-la, um modo de implantação e os efeitos desse projeto. Por exemplo, se o tema fosse “meio ambiente”, poderíamos desenvolver um parágrafo assim: 
 
"Um meio ambiente limpo e equilibrado é direito e responsabilidade de todos. Para que isso seja alcançado, é necessário que cada cidadão faça sua parte com atitudes, como separar o lixo reciclável do não reciclável e economizar água potável. Ações simples como essas ajudam a preservar o meio ambiente e a garantir um planeta mais saudável para as futuras gerações."

Confira plataformas gratuitas para ajudar nos estudos

O Eu, Estudante selecionou fontes de conteúdo gratuito para ajudar na preparação para o Enem. 

Stoodi
Com o covid-19, muitas escolas e cursinhos preparatórios tiveram de ser fechados para não prejudicar a educação dos alunos. O Stoodi, plataforma de curso online, disponibilizou 30 dias gratuitos de videoaulas no site.
 
Explicaê
A startup de educação Explicaê criou o projeto “Todos juntos contra o covi-19” no canal do YouTube. A plataforma publica semanalmente o cronograma do curso com videoaulas, exercícios, apostilas e horário de estudos para você não parar de estudar durante a quarentena e até depois dela. Para receber o cronograma, inscreva-se no site
 
Escola Sesc de Ensino Médio
Revisional Enem é um projeto da escola Sesc criado para ajudar os estudantes da rede pública de ensino que estão se preparando para fazer o Enem. Em um ambiente totalmente virtual de aprendizagem, os alunos inscritos poderão acessar as aulas, que serão postadas semanalmente nas segundas-feiras às 8h, trazendo questões de todas as disciplinas por meio de recursos como exerci%u0301cios, slides, podcasts e videoaulas. São 60 vagas para estudantes das escolas públicas de todo país. As inscrições estão abertas este sábado (30/5) no site
 
Conhece mais alguma plataforma gratuita? Compartilhe nos comentários. 

Bons estudos! 
 

*Estagiária sob supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade