Bióloga arrecada fundos para nova edição de livro infantil sobre o Cerrado

Meta deve ser alcançada em 10 dias para que uma nova tiragem de O camaleão Zozói seja produzida e distribuída pelo país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/11/2018 17:45 / atualizado em 22/11/2018 12:25

Formada em biologia pela Universidade de Brasília (UnB), Mieko Kanegae ingressou no universo do livro infantil em 2017, quando publicou seu primeiro livro, O camaleão Zozói, e uma adaptação da obra para o teatro. O sucesso foi bastante satisfatório para uma autora estreante, levando ao esgotamento dos mil exemplares. Agora, ela deseja expandir a história. Para tanto, Mieko começou uma campanha de financiamento coletivo para arrecadar fundos que possibilitem nova tiragem do livro e nova peça teatral sobre a história. 
Othávio Canabarro

O livro narra a história de um camaleão que vive no Cerrado junto a outros animais típicos do bioma do Centro-Oeste. O objetivo é apresentar o Cerrado às crianças, tendo em vista que ainda não havia obras para este público que abordassem o tema. Os interessados podem ajudar pela página do projeto no site Catarse, que auxilia projetos independentes e que precisam de doações. “Para conseguir realizar esse sonho através da plataforma colaborativa, precisamos alcançar a meta estipulada em 10 dias. É tudo ou nada”, conta Kanegae.

Aqueles que contribuírem podem ganhar recompensas de acordo com o valor destinado à causa. “Acredito que, quando as crianças conhecem e se envolvem com esses personagens, elas criam um elo sentimental e um olhar de cuidado e respeito com a natureza desde cedo”, defende a autora.
Othávio Canabarro

Bater a meta possibilitará uma nova edição que incluirá audiolivro com narração da própria autora, audiodescrição para deficientes visuais, informações biológicas com fotos e trilha sonora dos personagens, com duas canções inéditas, tocadas também na peça teatral. O livro é ilustrado por Othávio Canabarro, estudante de artes de 20 anos. O Camaleão Zozói foi o primeiro trabalho de ilustração de livro infantil do jovem. 

Conheça a história

 
Imagine conhecer a natureza e os seres que vivem nela através de livros infantis: essa é a proposta da autora. Mieko sempre teve relação íntima com o tema, cresceu convivendo com os bichos e as plantas na chácara da avó, Fumiko Kanegae. “Todo domingo, a família se reunia na chácara da minha batian (avó em japonês). Lá, tínhamos contato com água da nascente, animais domésticos (cachorro, galinha, peixes de tanque) e selvagens (aves, lagartos), plantação de hortaliças e frutas”, lembra ela. Essa vivência foi essencial para a escolha da profissão. 

“Com a chegada do meu filho, comecei a buscar livros infantis com personagens da nossa fauna e flora. Queria muito que ele identificasse os animais ao nosso redor, seu habitat, as plantas”, explica a bióloga. “É muito fácil encontrar livros sobre animais domésticos e da fauna africana, mas não sobre a que está ao nosso redor”, conta a autora. Mesmo o bioma cobrindo a região Centro-Oeste do Brasil e sendo a savana com maior biodiversidade do mundo, ainda não havia livros infantis sobre ele, segundo a autora.
 
Qual animal corre no Cerrado? 
 
Arquivo pessoal
Preencher essa lacuna foi o ponto de partida para a criação da história. “Consciente dessa demanda na literatura infantil, o livro surgiu muito repentinamente em uma conversa com uma grande amiga, escritora de livros e artista, Ana Santana. Estávamos em um retiro de alguns dias e ela contava das histórias que escreveu”, conta Mieko. Esse contato com a amiga acabou inspirando a escritora e bióloga. Eu dormi muito empolgada e, no dia seguinte, acordei com O Camaleão Zozói na cabeça”, explica a autora.

E, assim, nasceu o projeto, que se desmembrou em outras possibilidades, como a peça. Com o financiamento coletivo, o sonho de Mieko é apenas um: “Gostaria de perguntar às crianças: ‘Qual animal ocorre no Cerrado?’ E ter como resposta uma lista extensa de pelo menos 10 animais”, conta a escritora. 


*Estagiária sob supervisão da editora Ana Sá