Alunos de Brasília conquistam primeiras colocações em Concurso de Redação

Estudantes do Colégio Militar Dom Pedro II ocuparam oito posições de destaque

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/11/2018 16:39 / atualizado em 29/11/2018 15:18

Dois estudantes do Colégio Militar Dom Pedro II (CMDPII), Hermínio Joaquim da Silva Júnior, 15 anos, e Thiago de Deus Lima Rocha, 18, conquistaram os primeiros lugares das categoria ensinos fundamental e médio, respectivamente, no 4º Concurso de Redação da Defensoria Pública da União. O concurso foi realizado em parceria com a Receita Federal, Casa da ONU no Brasil, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).
 
Aline Rocha/Esp. CB/D.A Press
 

Com o tema Promoção dos Direitos Humanos e Garantia do Acesso à Justiça, estudantes do ensino médio e do ensino fundamental de todo o país participaram enviando seus textos. As primeiras colocações ficaram, entretanto, com os estudantes de Brasília. 

Sob o comando do Coronel Wender Camico Costa, comandante do CMDPII, outros dois alunos do ensino fundamental e quatro do ensino médio do Colégio Militar Dom Pedro II tiveram suas redações selecionadas. Os dois primeiros lugares ganharam uma viagem para Viena, capital da Áustria, onde terão a oportunidade de ler as redações em um evento da Organização das Nações Unidas (ONU), em parceria com a UNODC. Thiago foi um dos ganhadores.

Hermínio, do 9º ano do ensino fundamental, e Thiago, da 3ª série do ensino médio, alcançaram as primeiras colocações no concurso, em suas respectivas categorias. Hermínio começou a participar de concursos de redação há apenas um ano, e já conquistou premiações da Controladoria Geral da União (CGU), da Defensoria Pública da União (DPU), da Copa Verde e do Cisne Branco (premiação da aeronáutica). Thiago já participa há algum tempo e, assim como Hermínio, recebeu diversas premiações durante todo o ensino médio. 

Hermínio conta que começou a se interessar por esses concursos com o incentivo de professores, como a professora Fernanda Ferreira, responsável pelas matérias de redação e gramática da Seção de Projetos. Ele explica que o incentivo e o esforço dos professores tem sido um meio de obter bons resultados. “Este ano, a professora Fernanda me ajudou muito, pegando no meu pé para que eu participasse dos concursos”, relembra. 
 
Aline Rocha/Esp. CB/D.A Press
 

Ele também explica que sua preparação ocorreu com todos os textos relacionados ao tema do concurso que a professora Fernanda passou em sala de aula. Além disso, pesquisando sobre o assunto, achou o canal da Defensoria Pública no YouTube e, com os vídeos disponibilizados pela instituição, adquiriu mais embasamento para falar sobre o assunto. “Eu assisti aos vídeos e fui tentando absorver o máximo de conteúdo para poder usar na minha redação”, complementa. Já com relação ao seu estilo de escrita, Hermínio conta que utilizou a obra 50 contos de Machado de Assis como inspiração. “Quando eu leio, aprendo palavras novas e como estruturar melhor meus pensamentos”, explica, “Muita gente acha que é muito difícil, mas lendo e tentando entender, você aprende mais sobre sua língua, aprende a dar mais valor para a sua cultura, porque Machado foi um dos nossos maiores escritores”.

Thiago complementa a fala de Hermínio. Além de reforçar a importância do papel dos educadores, reforça também o papel da presença familiar no processo de aprendizado e crescimento pessoal. Para ele e seus pais, Kênia José da Rocha e Adrião Neto de Deus Lima, uma base familiar e escolar estruturada é de suma importância para que os estudantes tenham um bom rendimento e sejam exemplo e inspiração para aqueles estudantes que desejam ter sucesso.

“Alguns alunos acreditam que, para você poder participar de uma olimpíada, é necessário ter toda uma bagagem de conhecimento. Claro que é importante que já se tenha uma bagagem, mas a vantagem desses concursos é que você tenha a possibilidade de obter os conhecimentos minimamente necessários durante os estudos para a construção do texto”, explica Thiago, “Durante o processo do concurso é o melhor momento para aprendizado”.

Para ele, ter sido agraciado com a primeira colocação pode ser um modo de expor para o mundo uma visão dos Direitos Humanos relacionando com a Constituição Federal de 1988. “Eu fico muito honrado de ter ganhado esse concurso, porque talvez eu possa, quem sabe, mudar o pensamento de algumas pessoas que não acreditem na função real dos DHs”, ressalta.
 
Aline Rocha/Esp. CB/D.A Press
 

Hermínio e Thiago comentam sobre a importância da Seção de Projetos dentro da escola. Coordenada pelo professor de matemática Edgar Cândido dos Santos e com a participação da professora de redação e gramática Fernanda Ferreira, a Seção de projetos tem como objetivo trazer para o ambiente escolar todas os concursos e olimpíadas, sejam eles regionais ou nacionais. 

Edgar explica que foi montado um projeto voltado para os alunos do ensino fundamental, a partir do 2º ano, que surgiu durante uma conversa do coordenador com o astronauta Marcos Pontes. O chefe de departamento de ensino do CMPDII, Coronel Wender Camico Costa, explica que, desde o 2º ano do ensino fundamental, já existe um projeto de incentivo à leitura, além de aulas de interpretação e de produção de texto. “Quando os alunos entram para o 6º ano, já está presente na grade a disciplina de redação. Isso faz com que todo o processo venha se desenrolando desde cedo”, complementa. 

Na categoria de ensino fundamental do concurso de redação da Defensoria Pública da União (DPU), o segundo lugar ficou com a aluna Lara Caroline de Almeida Macedo que, com 12 anos e há apenas um ano no colégio, concorreu com alunos mais velhos e conseguiu a colocação. O terceiro lugar foi ocupado por Lucas Issamu Hashimoto, aluno do 9º ano.

Para Lara, participar desses concursos é divertido. “Eu acho legal porque consegui adquirir mais conhecimento e melhorar meu aprendizado na escola. Também acho divertido participar, porque gosto de escrever”, conta Lara. Seus pais, Alan de Macedo Silva e Carla Adriana Barbosa de Almeida, contam que estão muito orgulhosos da filha que, além de ser uma aluna dedicada, está realizada com as conquistas e o reconhecimento que recebe do colégio e de seus professores.
 
Aline Rocha/Esp. CB/D.A Press
 
 
Na categoria de ensino médio, Yasmin Nunes Melo, 3ª série, Mariana Moreira Almeida, 3ª série, Giovana Cristina dos Santos Freitas, 3ª série e Danielly Clemente Leandro, 2ª série, ocuparam, respectivamente, a posição do segundo ao quinto lugar no concurso.
 
Assim como os outros participantes, Yasmin, que conquistou o segundo lugar, acredita que participar desse tipo de evento traz ao estudante cada vez mais conhecimento. Além disso,  a estudante ressalta que esse tipo de atividade favorece a divulgação sobre os Direitos Humanos na sociedade.  Mariana, que alcançou a terceira colocação, destaca a importância da Seção de Projetos e do papel da professora Fernanda. De acordo com ela, a professora ter divulgado o concurso em sala de aula foi o incentivo necessário para a produção de um trabalho bem feito. “Eu cheguei na escola sem saber como escrever uma redação direito. Com a ajuda dos professores, tive o incentivo de começar a participar dos concursos, sem muita pretensão. Agora, como estou saindo do colégio, queria deixar uma marquinha. Foi por isso que comecei a me inscrever nesses concursos”, diz.

A premiação do concurso acontecerá em 7 de dezembro, às 14h, no Auditório do Centro Empresarial CNC, localizado na SAUN, Quadra 5, Lote C.
 
 
 
*Estagiária sob supervisão de Ana Sá