Prorrogadas inscrições da 22ª Olimpíada de Astronomia e Astronáutica (OBA)

Prova será aplicada em 17 de maio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/03/2019 15:55 / atualizado em 28/03/2019 16:02

Reprodução

 
Inscrições para a 22ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) foram prorrogadas até 31 de março. Escolas públicas e particulares que ainda não participam devem se cadastrar no site. 

A única fase da prova ocorre em 17 de maio e é voltada para estudantes dos ensinos fundamental e médio. Alunos e professores podem se preparar para a avaliação no aplicativo “Simulado OBA”, disponível para celulares, tablets e computadores ou no site da olimpíada que fornece provas e gabaritos das edições anteriores. 

O cadastro pelo site também vale para a 13ª Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG). O evento avalia a capacidade dos estudantes de construir e lançar foguetes feitos de garrafa PET, tubo de papel ou canudo de refrigerante.

A mostra é voltada para alunos dos ensinos fundamental e médio de escolas públicas e particulares de todas as regiões do país. Jovens que concluíram o ensino médio podem participar, desde que representando a instituição na qual se formaram, com a concordância da mesma ou pela universidade caso já estejam matriculados. O evento ocorre dentro da própria escola e tem quatro níveis.

Alunos do ensino médio que conseguirem lançar os foguetes acima de 100 metros serão convidados para a Jornada de Foguetes (no máximo uma equipe por escola), evento anual que reúne alunos de todo o país na cidade de Barra do Piraí, no interior do Rio de Janeiro.

Os foguetes devem ser elaborados e lançados individualmente ou em equipe. Após a data da prova da OBA (17 de maio), a escola deverá informar os nomes dos participantes e os alcances obtidos por seus foguetes. No fim da seleção, todos, incluindo professores e diretores, recebem um certificado e os estudantes com os melhores resultados receberão medalhas.

Os alunos do nível 1 (do 1º ao 3º ano do ensino fundamental) lançam foguetes construídos com canudinhos de refrigerantes. Os do nível 2 (do 4º ao 5º ano do fundamental) elaboram foguetes com tubinhos de papel. Já os alunos do nível 3 (do 6º ao 9º ano) constroem foguetes com garrafas PET, mas usam somente água e ar comprimido para lançá-los.

Os alunos do ensino médio ou superior também fazem foguetes de garrafa PET, mas com um elemento mais complexo, pois têm que usar combustível químico, além de de construir a base de lançamento. 

No site da OBA, no tópico “Downloads”, encontram-se todos os detalhes para a construção dos projetos, além dos vídeos explicativos. Os resultados serão obtidos por meio das distâncias medidas ao longo da horizontal entre a base de lançamento e o local de chegada dos foguetes.